14/07/2015 às 06h42min - Atualizada em 14/07/2015 às 06h42min

Ator de Piranhas-GO é convidado para novela do SBT

Jornal O Hoje
Jornal O Hoje

Luiz Carlos Félix não pensava em ser ator, quando brincava nas ruas da cidade de Piranhas, no interior de Goiás. Fazer parte de uma novela, então, nem de brincadeira. Mas o menino deixou a cidade aos 9 anos e, em Goiânia, ingressou de brincadeira no teatro, e acabou descobrindo uma vocação para a vida. Agora, o ator se prepara para mais um desafio, a trama Cúmplices de um Resgate, novela infantil que estreia em julho no SBT. O personagem é o peão Ermínio, cujo universo tem a ver com as origens do ator.

Ainda em Goiás, onde começou a atuar em peças escolares aos 15 anos, Luiz Carlos passou por várias companhias de teatro e viajou pelo País com algumas peças. Entre seus trabalhos iniciais estão: Uma Mulher Vestida de Sol, de Arianno Suassuna, Martim Cererê, de Cassiano Ricardo, e várias outras. Em São Paulo, o ator debutou nos palcos com Os Sertões, antológica montagem de José Celso Martinez Correia para o livro de Euclides da Cunha. “Ter feito parte desse trabalho para mim equivaleu a uma graduação em Artes Cênicas,” diz o ator.

Na TV, ele fez participações em A Favorita, Revelação e Vende-se um Véu de Noiva. Além da Cúmplices de um Resgate, Luiz Carlos prepara dois novos projetos para o teatro, conforme relatou em entrevista para O Essência.

Entrevista com Luiz Carlos Félix

Você nasceu e foi criado em Piranhas, no interior. Do que você mais se lembra da sua infância lá?

Das brincadeiras, do contato com a natureza, de ir para a fazenda. Minha família tem uma fazenda, e eu brincava no mato, na rua. Foi uma época bem gostosa. Mas, de tudo, eu me lembro mais mesmo do lúdico, das brincadeiras mesmo.

Você usou algo dessa vivência para compor seu personagem Ermínio na novela Cúmplices de um Resgate?

Sim, muito. O Ermínio é um peão que trabalha em um haras, então tem esse contato com a natureza, com os animais. E ainda hoje, quando eu visito a cidade, eu ando a cavalo, que é uma coisa que eu adoro fazer. Então não é novidade para mim. O que é novo para mim é a equitação, que é diferente de sair a cavalo para campear, passear, tocar o gado. Eu estou tendo aulas de equitação, que tem uma postura diferente, é outra coisa.

E como é o Ermínio: um vilão ou um personagem do bem?

Essa novela, Cúmplices de um Resgate, coordenada pela Dona Íris Abravanel, tem uma preocupação linda, de fazer uma novela que os pais podem ver com os filhos, sem se preocupar com o conteúdo, se pode ter algo que não seja adequado para as crianças. Mesmo as cenas de violência – que estão lá, pois faz parte da vida – são colocadas de maneira engraçada. O Ermínio é um personagem super de bem com a vida. Eu costumo dizer que ele vive o belo na visão de Platão, que é a busca pelo que é belo, pelo que é justo e pelo que é nobre. Ele adora o universo dos animais, é um homem xucro, porém sensível, que ama o que faz. É uma ligação presente e especial.

Como foi a sua experiência com o teatro goiano, no começo de sua carreira?

Eu comecei no colégio, fiz algumas montagens, como Uma Mulher Vestida de Sol, de Arianno Suassuna. Depois de alguns anos, eu recomecei fazendo peças amadoras. Na época, em Goiânia, não existiam grupos de teatro excepcionalmente profissional. Mas trabalhei com diretores importantes para o teatro goiano, como Marcos Fayad, Hugo Rodas, Constantino Isidoro, da Cia Anthropos. Trabalhei praticamente com todos os diretores.

Você teve alguma formação superior em Artes Cênicas?

Não, porque em Goiânia ainda não existia o curso, e, quando eu vim para São Paulo, eu fui trabalhar direto com o Enrique Diaz e, logo em seguida, fiz o Oficina, com o Zé Celso (José Celso Martinez Correa), na montagem de Os Sertões, que foi um trabalho muito elaborado, com muito estudo e preparo. Fazer parte desta montagem equivaleu a uma graduação. Foi um grande sucesso. Tive a sorte de trabalhar com grandes nomes, como o Pascoal da Conceição, a Giulia Gam, dentre outros.

Existe alguém com quem você tenha vontade de trabalhar?

O Antônio Fagundes é alguém que eu admiro e nunca tive a oportunidade.

Além da novela, você está envolvido em mais dois projetos de teatro, Hamlet e uma montagem de textos de Clarice Lispector, não é isto?

Eu estou montando Hamlet. É um trabalho que eu escolhi fazer. Ou melhor, eu sempre me ponho nessas armadilhas, então é um desafio enorme. Vou fazer Hamlet, mas a princípio será um monólogo. Eu excluo os conflitos familiares e as histórias interpessoais, e vou encenar a parte filosófica do texto de Shakespeare. Vai estrear agora, no segundo semestre. E, para o ano que vem, eu vou dirigir Clarices, que é um texto meu sobre a obra da Clarice Lispector. São três atrizes em cena, uma criança, uma jovem adulta e uma senhora. Para esse trabalho, eu trago duas obras imortais de Clarice, A Paixão Segundo G. H., que fala de morte, de questionamento, e Água Viva, que é sobre estar presente, sobre o agora. E o interessante é que não importa com que idade se descobre a autora; a obra dela é atemporal, ler os livros dela é um momento do espírito, da alma e da razão.  


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.3%
1.4%