09/05/2018 às 12h08min - Atualizada em 09/05/2018 às 12h08min

Alunos da UFMT fazem greve contra mudanças na alimentação e cortes no orçamento

Alunos são contra o reajuste das alimentações fornecidas no Restaurante Universitário. Mais de 2 mil estudantes participaram da assembleia, conforme os coordenadores.

G1 MT
Araguaia Notícia
Divulgação
Alunos da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) decidiram em assembleia geral nessa terça-feira (8) entrar em greve por tempo indeterminado.

A greve é contra a mudança na política de alimentação e cortes no orçamento da instituição. Estudantes ocupam campus em várias cidades, inclusive em Cuiabá.

Segundo os alunos, a assembleia começou às 17h e encerrou às 21h. A maioria dos estudantes presentes votaram a favor da greve geral estudantil e a favor da ocupação unificada na UFMT no campus Cuiabá.

Restaurante Universitário (Foto: Vinícius Fernandes/ Arquivo pessoal)

Restaurante Universitário (Foto: Vinícius Fernandes/ Arquivo pessoal)


De acordo com UFMT, os alunos com renda superior a R$ 1,4 mil passarão a pagar, a partir de março deste ano, o valor integral do vale-refeição.

Um dos líderes do movimento, Leonardo Rondon, disse que a greve é por tempo indeterminado. Mais de 2 mil estudantes participaram da assembleia, conforme os coordenadores.

“Somos contra o aumento no Restaurante Universitário e contra qualquer corte no orçamento na UFMT. A greve é uma grande ferramenta para mostrar que não vamos aceitar o aumento no preço da alimentação no restaurante universitário”, declarou ao G1.

Estudantes dos campi de Sinop, Araguaia e Rondonópolis, também aderiram à greve. O movimento estudantil ocupa blocos da instituição nessas cidades desde o final do mês de abril.

Os estudantes decidiram continuar ocupando o campus da capital mesmo após a Justiça Federal determinar que seja feita a reintegração de posse no campus.

Impasse

Outros estudantes em situação de vulnerabilidade econômica terão parte do valor subsidiado pela instituição.

Os alunos com renda superior, no entanto, deverão pagar o valor cobrado sem o auxílio da UFMT.

Atualmente, os estudantes de todos os campi pagam R$ 0,25 pelo café da manhã e R$ 1 para almoço e jantar. Os valores seriam reajustados para R$ 5 o almoço e a janta e para R$ 2,50, o café da manhã.

Também contra o reajuste, os estudantes ocupam uma das guaritas da instituição. Nos outros campi, os universitários também protestam contra o aumento.

UFMT

A reitora UFMT, professora Myrian Serra, conversou com estudantes dos cinco câmpus na última segunda-feira (7) sobre a nova política de alimentação estudantil.

Após ouvir os estudantes, a reitora assumiu o compromisso de não implantar a nova Política de Alimentação até que sejam concluídos os trabalhos da comissão, que contará com a participação de representantes dos segmentos – estudantes, técnicos administrativos e docentes – e dos câmpus para dar continuidade às discussões e à elaboração de propostas de modo mais participativo, como querem os discentes.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.6%
16.9%
77.3%