Araguaia Notícia  Publicidade 728x90
22/01/2014 às 16h23min - Atualizada em 22/01/2014 às 16h23min

Fagundes afirma que se sente ainda mais candidato ao Senado por MT após conversa com Dilma

Olhar Direto
Olhar Direto

Em meio às pouco claras amarrações políticas visando as eleições de 2014, o presidente regional do PR, deputado federal Wellington Fagundes, considerou como "avalizada" pela presidenta Dilma Rousseff (PT) sua pré-candidatura ao Senado. Ele é um dos vários que pleiteiam a cadeira de Mato Grosso no Senado e afirmou sentir-se mais candidato do que nunca, após a conversa da presidente e pré-candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) com o governador e também pré-candidato a senador Silval Barbosa (PMDB), na semana passada.


Essa segurança toda viria do fato de a petista ter ficado a par da importância do Partido da República em Mato Grosso, que apesar de corresponder a menos de 1% do eleitorado brasileiro, ainda pode ser a diferença entre uma vitória no primeiro ou de mais três semanas de campanha em um caro, desgastante e arriscado segundo turno na disputa pela Presidência da República.

“Depois da reunião com a Dilma eu me senti muito mais candidato. O peso do PR é importante. Ela (Dilma) sabe a importância que o PR representa, o Silval colocou isso para ela. O que significa o PR em uma coligação. O peso do Blairo, o peso das lideranças na Assembleia Legislativa, temos uma força, parlamentares bastante distribuídos em todas regiões de Mato Grosso”, observou o presidente do PR.

Wellington, que não esconde o desejo de ver Silval abandonar o projeto de se candidatar ao Senado para deixar o caminho livre, ainda salientou o fato de a antiga aliança com o Partido dos Trabalhadores, construída desde as eleições de 2006, quando a agremiação apoio a candidatura de Luís Inácio Lula da Silva à reeleição presidencial, não afasta a possibilidade de ele ser candidato em um chapa com vários candidatos a presidente.

“Nós queremos construir um palanque para a presidente Dilma em Mato Grosso, forte para que ela possa se eleger no primeiro turno. Agora palanque em MT a história já mostrou como é. Em outros momentos já tivemos três candidatos fortes e o palanque do Dante abrigou os três”, relembrou o republicano, em referência a época que o finado Dante de Oliveira teve Fernando Henrique Cardoso, Lula e Ciro Gomes como apoiadores.

Neste caso, fica aventada a possibilidade seria Wellington Fagundes ser candidato ao Senado em um chapa com o senador Pedro Taques (PDT) como candidato ao governo, a qual dividiria espaço entre Eduardo Campos (PSB), Aécio Neves (PSDB) e Dilma. Entretanto, essa coligação deve ter resistência dos partidários do PSDB, uma vez que Nilson Leitão, presidente regional dos tucanos, já afirmou descartar dividir palanque com a presidenciável petista. 

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real  CLIQUE AQUI
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90