04/03/2020 às 20h59min - Atualizada em 04/03/2020 às 20h59min

Professor do Univar aborda uso de drogas com intuito de fomentar novas políticas públicas na área

Edson Fredulin Scherer
ARAGUAIA NOTÍCIA


O uso de drogas e álcool, atualmente é uma discussão que, ainda é atravessada pelo medo e pelo moralismo. Nesse sentido, é preciso desconstruir mitos e abrir espaço para reflexões que procurem ir à raiz da questão, descortinando os interesses em jogo e analisando criticamente a efetividade dos modelos vigentes sobre as politicas públicas para orientar as pessoas de seus males para a saúde humana.

As políticas públicas de saúde para usuários de álcool e outras drogas devem ser coerentes com os princípios da Reforma Psiquiátrica, em que a internação é o último recurso e sob vontade do usuário, como sujeito de direitos, deve ser considerada e respeitada em toda sua plenitude. Estas políticas devem ser necessariamente intersetoriais.

É fundamental que investimentos públicos sejam feitos nas diversas áreas envolvidas na sociedade como na saúde, assistência social, educação e trabalho. Além disso é necessária também a criação de estratégias para desenvolver o exercício da interdisciplinaridade (papel da universidade), o que só é possível por meio de reflexão sobre os papéis e os saberes de cada área profissional da saúde pública envolvida no processo de formação de núcleos de estudo sobre o tema.

O debate acerca do uso ou abuso de álcool e drogas ganhou força no ano de 2011. Nesse mesmo ano houve o lançamento oficial da política nacional de atenção aos usuários de álcool, crack e outras drogas (o chamado Plano de Enfrentamento ao Crack) que tem gerado inúmeras preocupações em movimentos e entidades que trabalham e militam nos campos da redução de danos, luta antimanicomial, direitos humanos e direitos de crianças e adolescentes.

Se prestarmos atenção ao que é veiculado na mídia diariamente sobre o uso de drogas, a impressão que se tem é que a situação se mostra como uma epidemia: extremamente grave, perigosa e que exige ações rápidas e enérgicas, denunciando um grave problema de saúde pública e de fundo essencialmente social que afeta o consumo de álcool no Brasil, principalmente entre os jovens e adolescentes.

A estimativa de dependentes de álcool no Brasil chega a 12%. Apesar dessas diferenças tão discrepantes entre a incidência do uso de álcool e de outras drogas, pouco se fala sobre a questão do álcool como grave problema de saúde pública e não vemos nenhum movimento urgente para reduzir seu uso no Brasil pela falta de uma política de orientação e prevenção em saúde sobre esse tema. 

Nesse sentido, é importante mostrarmos que não precisamos mais ficar presos aos velhos métodos de lidar com os problemas associados ao uso de drogas, que segregam, estigmatizam e violentam os usuários e dependentes de drogas. Por isso, o curso Psicologia e o de farmácia no Univar abrem a discussão e reflexão.

Nesse sentido, podemos colaborar com esta discussão e também achamos importante mostrar reflexões e práticas inovadoras no intuito de dar visibilidade a trabalhos científicos que envolvam o estudo das drogas. Portanto, o Univar preocupa-se com o problema social e de saúde que uso de drogas e álcool acarreta lançando uma discussão e reflexão sobre o tema para os acadêmicos e toda comunidade envolvida na busca de solução para esse problema de saúde pública no Brasil que o consumo abusivo de álcool e drogas ilícitas e lícitas acarreta na sociedade.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
4.5%
20.0%
73.9%