10/03/2019 às 11h47min - Atualizada em 10/03/2019 às 11h47min

Publicitária que nasceu em Barra do Garças conta o que mudou na vida dela após ganhar 1 milhão de Reais

ARAGUAIA NOTÍCIA
Vinicius Lemos / RDNEWS
Ela nasceu em Barra do Garças e se realizou profissionalmente em Cuiabá


Já se passaram dez anos e como está a vida da publicitária Marina Erthal que participou do Programa Aprendiz do Roberto Justus e na época ganhou 1 milhão de reais. Muita gente tem curiosidade para saber como está a vida desta celebridade mato-grossense.

O site RDNEWS do conceituadíssimo jornalista Romilson Dourado foi atrás desta história de Marina que nasceu em Barra do Garças e se mudou antes de completar um ano para Cuiabá onde frequenta pelos por quatro vezes ao ano. 


“Toda a minha família ainda mora em Cuiabá. Além disso, foi onde vivi por muito tempo. Então, tenho muito carinho pela cidade”, diz. 

Reportagem do RDNEWS ficou espetacular... acompanhe aqui:

Com a certeza de que tenho a decisão correta, vou dizer: Marina, você está contratada”. A frase do empresário e apresentador Roberto Justus, proferida há 10 anos, representou a maior mudança na vida da publicitária mato-grossense Marina Erthal, vencedora da sexta edição do reality show “O Aprendiz”.

Era 28 de maio de 2009 quando Marina, na época com 20 anos, venceu a disputa. Filha de um gerente comercial e uma professora, ela levou o prêmio de R$ 1 milhão, um carro, um estágio de um ano com salário inicial de R$ 10 mil, na agência de publicidade Young & Rubicam, e um notebook. Desde então, a vida da jovem mudou radicalmente.

“De repente, me vi em São Paulo, uma cidade imensa, trabalhando na maior agência do Brasil, longe da família e amigos e conhecendo novas pessoas", relata a publicitária. 

Antes de participar do reality show de negócios, Marina cursava o sexto semestre de Publicidade e Propaganda na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá. Ela trabalhava em uma pequena agência da capital mato-grossense, na qual recebia um pequeno auxílio financeiro.

A jovem descobriu que o reality show abriria inscrições para universitários – em edições anteriores, apenas executivos participavam – ao ouvir uma conversa entre colegas de turma.

“Fiquei curiosa quando disseram que o prêmio era de R$ 1 milhão e um emprego na maior agência de publicidade do país. Cheguei em casa, fui pesquisar mais sobre o assunto e decidi me inscrever. Foi aí que tudo começou”, conta ao RDNEWS.


Após a inscrição, ela passou por um processo seletivo e foi uma das selecionadas para participar do reality show, na época exibido pela RecordTV. Ela foi para São Paulo, onde aconteciam as gravações, e ficou confinada em um dos hotéis mais luxuosos da capital paulista, com os outros participantes.

“Eu saí de Cuiabá muito focada em vencer o programa. Tive muita garra, determinação e força de vontade. Isso virou uma meta a ser cumprida”, relata.

O Aprendiz

No reality, Marina participou de diversas provas. A cada desafio, um participante era demitido por Roberto Justus e deixava a competição. A mato-grossense era uma das que mais se destacava entre os jovens. "A Marina é uma pessoa brilhante. Ela é criativa, muito determinada e corre atrás do que quer”, disse uma das concorrentes de Marina, na época da competição.

Ela revela que mantinha uma boa relação com os outros competidores. “Durante o programa, éramos concorrentes, mas logo que as câmeras desligaram, ficamos muito amigos”, explica. Ela conta que mantém contato com diversos participantes. Uma das amigas que ela fez na disputa foi a modelo Ana Paula Siebert, hoje esposa de Roberto Justus.   

Ao todo, foram quatro meses de reality show. Período em que Marina permaneceu confinada no hotel. “Havia muita pressão física e psicológica para lidar. Mas tudo valeu a pena”, assegura.

A publicitária afirma ter ficado incrédula ao ouvir Justus anunciar que ela havia vencido o programa. “Quando ele anunciou que eu estava contratada, nem pude acreditar. Porque além de todos os prêmios, sabia que isso mudaria a minha vida inteira”.

Hoje, o apresentador e empresário é amigo da mato-grossense. “Além de ter sido meu chefe, ele é uma pessoa que admiro muito. Saímos para jantar ou almoçar, para festas e conversamos sobre assuntos profissionais ou pessoais. Ele virou um mentor e amigo que agrega muito à minha vida. Há pouco mais de um ano, ele saiu da Young e não é mais meu chefe, mas a relação de amizade é a mesma”, diz.

Os prêmios

Depois do Aprendiz, Marina permaneceu em São Paulo, a princípio, para fazer o estágio. “O meu plano era permanecer ali por um ano e voltar para Cuiabá, que é uma cidade que gosto muito e onde mora toda a minha família. Mas se passaram 10 anos e continuo aqui, sem planos para voltar”, relata.

O período de estágio, segundo Marina, foi uma espécie de “Aprendiz da vida real”. “Essa experiência me agregou muito. Desde o primeiro mês, me encantei e pensei: é aqui que quero trabalhar. Me esforcei muito para surpreender meus superiores”, detalha. O esforço da publicitária foi reconhecido. Ela foi contratada pela agência. “Estou aqui até hoje, 10 anos depois”.

Com o R$ 1 milhão, Marina relata que comprou um apartamento em São Paulo, tornou-se sócia de empresas de diferentes setores, como o imobiliário, e investiu o restante “para que o dinheiro trabalhasse para ela”.

Por estar morando em São Paulo, a mato-grossense concluiu o último ano do curso de Publicidade e Propaganda na universidade Anhembi Morumbi, logo após participar do Aprendiz.

O futuro

Uma década depois de vencer o programa, Marina trabalha na área de criação da agência, cuida das empresas das quais é sócia e também dá palestras e cursos sobre persuasão, motivação e empreendedorismo. “É uma vida bem corrida e intensa, costumo sair tarde do trabalho quase todos os dias, além dos cursos e palestras durante a noite e finais de semana, pelo Brasil inteiro. Mas tudo vale a pena”, afirma.

Para o futuro, ela planeja continuar indo atrás de seus objetivos. “Quero continuar atualizando e alcançando todos eles”. Um dos planos dela, para daqui a “mais ou menos 10 anos”, é abrir a própria empresa. “Mas, no momento, quero continuar trabalhando em agências de publicidade e continuar com as sociedades em empresas”, declara.

Marina

Marina

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%