01/05/2011 às 17h21min - Atualizada em 01/05/2011 às 17h21min

Caos de carretas está de volta na divisa de MT e GO

Em virtude do escoamento da safra

Olhar Direto
Reprodução Número de carretas multiplica com escoamento de safra

O engarrafamento nas pontes dos rios Garças e Araguaia, em Barra do Garças, na divisa de MT, está de volta com escoamento da safra 2011. Várias carretas e caminhões carregados de soja, milho e algodão estão congestionando as pontes e inviabilizando o trânsito de Barra do Garças.

Números extra-oficiais dão conta que mais de mil carretas passam pela cidade todos os dias. E para completar o sofrimento dos motoristas, ainda não foram liberadas as diárias para os policiais militares auxiliarem no controle das carretas na entrada de Barra do Garças e em Aragarças-GO.

Há dois anos, a PM vem disponibilizando policiais de folga para auxiliarem no controle das carretas para diminuir o calvário dos motoristas que precisam passar de um estado para outro. A tendência é que a situação pior mais ainda com a temporada de praia.

O comandante da Polícia Militar no Araguaia, coronel Valdemir Barbosa, explicou que há dois anos a PM assumiu esse controle das carretas usando os policiais de folga que recebem diárias como gratificação pelo serviço.

Sobre as diárias, a Secretaria de Fazenda do Estado de Mato Grosso (Sefaz) está aguardando uma posição do governador Silval Barbosa se serão liberadas ou não neste ano, segundo informou o coronel Barbosa ao manter contato com Cuiabá. O problema das carretas em Barra aumentou nos últimos anos com crescimento da produção de grãos do Araguaia.

Mais de mil carretas passam pela cidade. Uma saída para esse impasse seria a construção do anel viário com duas pontes e um desvio de 14 km para retirar as carretas de dentro da cidade. A obra está avaliada em R$ 80 milhões. Um anteprojeto foi aprovado pelo Ministério dos Transportes que aguarda apenas emissão da licença ambiental para iniciar a obra.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.5%
1.4%