16/07/2015 às 17h12min - Atualizada em 16/07/2015 às 17h12min

Deputado e secretário de Estado visitam Barra e tratam sobre interdição do parque Serra Azul

Ronaldo Couto / Secom-BG
Konrad Felipe / Assessoria CMBG

O secretário de Cidadania e Trabalho de Mato Grosso Valdinei Arruda e deputado estadual Maxi Hussein (PSB) participaram de uma reunião quinta-feira (16/07) na prefeitura de Barra do Garças em que foram discutidos a interdição do parque estadual da Serra Azul e destinação do prédio da escola estadual Dom Bosco.

O prefeito Roberto pediu ajuda ao parlamentar para reabrir o parque que é muito procurado nesse período de férias para visitação. “Nós queremos que seja liberado pelo o acesso ao Mirante do Cristo e as cachoeiras”, frisou o prefeito.

Com relação ao prédio Dom Bosco que pertence ao estado, o prefeito barra-garcense pediu que o colégio seja utilizado para construção de uma escola e creche diferente da proposta que fizeram ao secretário Permínio da Educação de construir ali a sede do centro administrativo do estado.

“A população ganhará muito mais em ter uma escola e creche naquele lugar do que um centro administrativo”, ponderou. O deputado Maxi ouviu atentamente os pleitos e disse que irá atuar diretamente na questão do parque pois participa da comissão responsável pelo Meio Ambiente na Assembléia Legislativa.

Sobre o prédio do colégio Dom Bosco, secretário Valdinei disse que o pleito do prefeito é interessante e que levará este assunto ao conhecimento do governador Pedro Taques. “Vamos ver o que é possível atender com relação a esses dois pedidos”, frisou o secretário da Setas.

No período da tarde, Maxi visitou o parque acompanhado dos vereadores; e o secretário participou de uma visita ao balcão de empregos do SINE onde lançou o programa de incentivo de renda e emprego do governo Taques.

Os vereadores Welinton Mandioquinha, Pebinha da Saúde, Airton Biroska e Geralmino Neto anunciaram durante a reunião que vão entrar com um pedido na Justiça para reabrir o parque.
O Parque Serra Azul, de 10 mil hectares, foi criado em 1994 e se tornou uma dos cartões-postais de Barra do Garças. Uma notificação do Ministério Público fechou o parque em outubro do ano passado com relação às queimadas. Só que as queimadas passaram e a vegetação nasceu e a interdição continua diz o vereador Airton Biroska.

“Nós vamos entrar na Justiça porque não existe decisão judicial fechando o parque e sim uma recomendação em que a população está sendo prejudicada. O que nós queremos é a liberação do Mirante do Cristo e das cachoeiras”, frisou Mandioquinha.

 

 

 


 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.5%
1.4%