01/02/2012 às 16h30min - Atualizada em 01/02/2012 às 16h30min

MPE pede afastamento de vereador 'perseguido'

Olhar Direto
Reprodução

Está sobre a mesa do juiz José Antônio Bezerra Filho para ser analisado o pedido de afastamento por 180 dias do vereador de Barra do Garças, Miguel Moreira da Silva, o Miguelão (PSD) do legislativo barra-garcense. Ele é acusado de improbidade administrativa em uma ação civil pública proposta pelo promotor Mauro Poderoso de Souza, encaminhada ao fórum dia 20 de janeiro.

De acordo com a denúncia, Miguelão teria se beneficiado, através de sua empresa de peças e tacógrafo, em serviços a prefeitura sem licitação em 2008. Além dele, foram denunciados na ação o ex-prefeito Zózimo Chaparral (PC do B) e o ex-secretário de Finanças José Mazon.

O vereador nega qualquer crime e atribui essa denúncia à perseguição do prefeito Wanderlei Farias (PR) pelo fato dele (Miguelão) ser de oposição no legislativo. “Sou vereador de oposição e, por não concordar com o prefeito, agora estou sendo perseguido”, frisou o socialista.

Miguelão explica que essa mesma denúncia já foi arquivada em 2009 por falta de provas e, agora, foi reapresentada pelo procurador da prefeitura Daniel Casela.

A fraude teria ocorrido durante licitações para reparos de ônibus da frota escolar municipal nas cartas convites 008/2008 e 065/2008, nas quais constam as aquisições de muitas peças repetidas e outras em quantidades superiores ao que possivelmente seria utilizado numa frota escolar de apenas cinco ônibus.

O promotor pediu o afastamento do vereador por 180 dias sob o argumento de que ele pode atrapalhar a investigação se estiver no cargo. No seu despacho, Poderoso chega a citar “objetivando preservar na íntegra a instrução processual, tendo em vista as graves e ameaçadoras atitudes comprovadas contra as testemunhas dos fatos, bem como o poder geral de cautela e a necessidade imperiosa da medida, pelo prazo máximo de cento e oitenta dias”. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.0%
23.7%
1.3%