26/12/2014 às 00h21min - Atualizada em 26/12/2014 às 00h21min

Milagre de Deus mantém vivas gêmeas siamesas unidas pelo tronco e que dividem o mesmo figado

G1 - GO / Tv Anhanguera
Tv Anhanguera / G1 GO

Com 15 dias de vida, as gêmeas siamesas Anny Beattriz e Anny Gabrielly seguem se recuperando de uma pneumonia no Hospital Materno Infantil (HMI), em Goiânia. A unidade de saúde informou, quinta-feira (25), que elas estão em estado grave e ainda respiram com a ajuda de aparelhos.

As gêmeas nasceram em 10 de dezembro e, desde então, estão hospitalizadas na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal. Unidas pelo tórax e abdômen, o quadro delas piorou no último dia 17, quando foram diagnosticadas com a infecção no pulmão.

Segundo o pediatra Zacharias Calil, as recém-nascidas compartilham o fígado e uma delas tem má formação renal. Um exame feito no dia último dia 12 identificou que, ao contrário do que foi avaliado antes do nascimento, as gêmeas não dividem o coração.

“Os dois corações estão muito próximos. Por isso, deu essa impressão no primeiro exame. Agora, vendo em detalhe o fluxo de sangue nas artérias do coração, foi possível ver que elas possuem os corações separados”, explicou na ocasião o médico.

A mãe das siamesas, a agricultora Iara Pereira Dourado, de 24 anos, recebeu alta do hospital no dia 12. Ela e o marido, o também agricultor Jeiel dos Santos Guedes, 25, são de Ibipeba (BA) e, atualmente, moram na casa da cunhada dela na capital goiana.

 

Gestação

Anny Beattriz e Anny Gabrielly nasceram aos oito meses, em 10 de dezembro, no Hospital Materno Infantil. Segundo o pai das recém-nascidas, ele e a esposa ficaram sabendo que as filhas eram siamesas no sexto mês de gestação. “No sétimo mês, tivemos a certeza absoluta da situação delas e da gravidade. No oitavo mês, nós viemos para Goiânia”, relatou.

Segundo Jeiel, eles tomaram a decisão de vir para a capital goiana porque a região em que viviam não tinha estrutura para atender a complexidade relacionada a uma gestação que gêmeos siameses exigem.

Apesar da situação delicada, Jeiel está confiante e acredita no desenvolvimento das meninas. “No início, lógico que ficamos surpresos com a notícia, mas tivemos fé e força para seguir em frente. E elas são a força que precisamos agora”, disse no dia do nascimento das garotas.

Em entrevista ao G1, Iara afirmou que já sonha com a cirugia de separação das gêmeas. "Quando descobrimos que elas eram siamesas, meu único pedido é que elas viessem com saúde. Se for da vontade de Deus, creio que vai dar tudo certo", disse.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.6%
17.2%
77.1%