Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90
09/07/2024 às 16h05min - Atualizada em 09/07/2024 às 16h05min

Caso Zampieri: produtor rural que disputava terra na Justiça é indiciado por mandar matar advogado do caso

Perda de fazendas na Justiça teria levado o investigado a mandar matar o advogado. Roberto Zampieri, de 57 anos, foi morto em frente ao escritório onde trabalhava, em dezembro do ano passado.

g1 MT
Araguaia Notícia
A Polícia Civil concluiu a investigação sobre a morte do advogado Roberto Zampieri, de 57 anos, nesta terça-feira (9), e indiciou o produtor rural Aníbal Manoel Laurindo, como um dos mandantes da morte de Zampieri, em dezembro de 2023. As investigações comprovaram a ligação de Aníbal com o intermediário do crime, o coronel do Exército Luiz Cacadini, e o vínculo do coronel com os atiradores, que também foram indiciados, em fevereiro deste ano.

Confira abaixo os envolvidos na morte do advogado, segundo a Polícia Civil:

Aníbal Manoel Laurindo (mandante);
Coronel Luiz Cacadini (financiador);
Antônio Gomes da Silva (atirador);
Hedilerson Barbosa (intermediador, auxiliar do atirador e dono da pistola 9mm usada no assassinato).

Aníbal deve responder por homicídio duplamente qualificado, crime praticado à traição, de emboscada, ou mediante dis-simulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossivel a defesa da vítima; e mediante pagamento ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe.

Com a investigação concluída, agora o caso é encaminhado ao Ministério Público Estadual (MPE) para oferecimento de denúncia à Justiça.

O produtor rural chegou a ser preso pelo crime, mas foi solto logo após ser ouvido. O advogado de defesa, Wander Bernardes, disse que o homem teve a prisão substituída por medidas cautelares diversas, como a tornozeleira eletrônica.

Disputa por terra



Segundo o delegado responsável pela investigação, Nilson Farias, foi verificado que existe uma demanda de duas fazendas em Paranatinga, a 411 km de Cuiabá, avaliadas em cerca de R$ 100 milhões, e que a perda dessas propriedades na Justiça teria levado Aníbal a mandar matar o advogado. Além disso, o mandante desconfiava de uma suposta aproximação de Zampieri com o desembargador do caso.

A investigação apontou ainda que Roberto Zampieri era apenas o advogado do fazendeiro que pediu a terra de volta.

Entenda o caso

O advogado Roberto Zampieri foi morto com 10 tiros dentro do próprio carro em frente ao escritório. Uma câmera de segurança registrou o momento do crime. Ele foi surpreendido por um homem de boné, que disparou pelo vidro do passageiro, e fugiu em seguida.

As equipes de socorro médico foram até o local, mas a vítima não resistiu aos ferimentos e morreu. O suspeito chegou a ficar cerca de uma hora aguardando a vítima sair do local.

De acordo com o delegado, o atirador utilizou uma caixa revestida com saco plástico para esconder a arma do crime, e que o objeto também pode ter sido usado para abafar o som dos disparos.

Quem está preso



Três pessoas, sendo Antônio, Hedilerson e Etevaldo, permanecem presas pelo homicídio conta o advogado. Segundo a Polícia Civil, eles deverão responder por homicídio duplamente qualificado pela traição, por emboscada, ou mediante dissimulação ou outro recurso que dificulte ou torne impossível a defesa do ofendido.

Ainda de acordo com a polícia, outro agravante do crime foi o fato de ter sido praticado mediante pagamento ou promessa de recompensa, ou por outro motivo torpe.

O Ministério Público de Mato Grosso (MPMT) denunciou Antonio Gomes da Silva, Hedilerson Fialho Martins Barbosa e Etevaldo Luiz Caçadini de Vargas pela morte do advogado.

Dinâmica do crime

1° - O suposto executor (Antônio Gomes) foi contratado pelo valor de R$ 40 mil.
2° - Já o intermediário (Hedilerson Barbosa), despachou uma pistola calibre 9 mm, registrada no próprio nome, para Cuiabá, no dia 5 de dezembro, mesma data do crime.
3° - O encontro entre o intermediador e o executor para entrega da arma ocorreu em um hotel, onde os dois ficaram hospedados na capital mato-grossense.
4° - Antônio Gomes teria ido até o escritório do advogado um dia antes de cometer o crime. Além disso, ele teria vigiado a vítima por 30 dias antes do assassinato.
5° - Zampieri foi morto com cerca de 10 tiros, dentro do próprio carro, em frente ao escritório em que trabalhava.
6° - O coronel do Exército Brasileiro Etevaldo Luiz Caçadini foi preso, em Belo Horizonte, Minas Gerais, suspeito de financiar a morte do advogado.
7° - O suspeito de atirar contra o advogado foi preso no dia 20 de dezembro, no município de Santa Luzia, região metropolitana de Belo Horizonte. Segundo o delegado, o homem confessou que atirou contra Roberto.
8° - Já o suspeito de ser o intermediário foi preso dois dias depois, também em Belo Horizonte.

Desiste de indiciar empresária

O delegado Nilson Farias desistiu de indiciar a empresária Maria Angélica Caixeta Gontijo, que, segundo as investigações, era suspeita de ter ordenado o assassinato do advogado. O comunicado foi feito pela polícia, após o depoimento do coronel do exército.

Segundo o delegado, não existem provas de que a empresária tenha encomendando o assassinato. Maria Angélica foi presa no dia 20 de dezembro, em Patos de Minas (MG), mas conseguiu liberdade após decisão da Justiça no dia 18 de janeiro.

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real  CLIQUE AQUI
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90