Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90
Araguaia Notícia  Publicidade 728x90
28/05/2024 às 16h52min - Atualizada em 28/05/2024 às 16h52min

Cridac oferece diagnóstico e tratamento especializado do Transtorno do Espectro Autista para pacientes até 14 anos

Unidade é uma referência estadual no diagnóstico e acompanhamento do TEA pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Mato Grosso

SES - MT
Araguaia Noticia
Cridac oferece diagnóstico e também terapias para crianças com TEA Crédito - Secom-MT
Em uma das salas do Centro de Reabilitação Integral Dom Aquino Corrêa (Cridac), Maiara Souza, mãe da pequena M.Y.S, de 1 ano e 11 meses, recebeu nesta segunda-feira (27.05) a devolutiva do diagnóstico que busca desde os primeiros meses da filha. O serviço, que é ofertado pela unidade por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), proporcionou o diagnóstico da menina como autista de nível II de suporte.

O Cridac, unidade mantida pela Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), oferece o diagnóstico e o acompanhamento multidisciplinar para crianças autistas de nível I e II de suporte até os 14 anos.

Maiara relata que, a partir dos seis meses da filha, começou a notar que a menina apresentava diferenças no desenvolvimento em relação às crianças da mesma idade e que, por isso, iniciou a busca por auxílio médico.

“Percebi que ela tinha alguns comportamentos diferentes, como ficar muito tempo olhando para as mãozinhas. Também notei que, enquanto as outras crianças aprendiam novas habilidades, ela não conseguia acompanhar e até esquecia coisas que já tinha aprendido, o que me deixou muito preocupada e me fez buscar auxílio médico”, conta a mãe.

Com o laudo em mãos, Maiara poderá acessar serviços e terapias especializadas que apoiarão o desenvolvimento de sua filha, enfatiza a médica neurologista infantil, Alzira Nishiyama.

“O diagnóstico é o primeiro passo para iniciar as terapias adequadas e definir as necessidades específicas de cada criança, além de oferecer suporte essencial para a família. Muitas vezes, uma família passa anos buscando um diagnóstico, mas não consegue obter uma resposta clara que permita acesso às terapias necessárias e à educação inclusiva. As terapias e os tratamentos ajudam a melhorar a funcionalidade do indivíduo dentro de suas capacidades, proporcionando um desenvolvimento mais completo e uma vida mais integrada", explicou.

Especialistas apontam que o diagnóstico precoce do Transtorno do Espectro Autista (TEA) é fundamental por possibilitar o início de intervenções que podem melhorar significativamente o desenvolvimento e a qualidade de vida da criança.

A diretora do Cridac, Suely Souza Pinto, destaca que o centro é uma referência estadual no diagnóstico e acompanhamento do TEA pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Mato Grosso.

“Nós somos a única unidade que é 100% SUS no Estado e acompanha pacientes com TEA. Atendemos desde o diagnóstico do autista e oferecemos todas as terapias necessárias para um paciente com autismo. Isso é gratificante, porque sabemos que nós estamos fazendo a parcela que nos cabe”, finalizou a diretora.


TEA e níveis de suporte

O TEA é categorizado em 3 diferentes níveis de suporte, com o nível II indicando uma necessidade intermediária de apoio. Esse é o caso da pequena M.Y.S, que precisará de suporte nas áreas de comunicação, interação social e comportamento adaptativo.

Para auxiliar nesse processo, uma das estratégias adotadas pelo Cridac é a de orientação parental, em que a família passa a ser um importante instrumento para garantir um bom desenvolvimento dessas crianças.

“A orientação parental permite uma intervenção precoce essencial, já que a criança passa a maior parte do tempo com a família e se sente mais à vontade em casa. Ao capacitar a família, garantimos que ela possa oferecer o suporte necessário à criança ao longo de sua vida, adaptando-se continuamente às suas necessidades”, ressaltou a psicóloga da unidade, Criziane Melo Vinhal.

Entre as terapias e ferramentas utilizadas pelo Cridac para o acompanhamento de pacientes com TEA, está a sala de estimulação sensorial, local onde as crianças podem ser estimuladas por meio de atividades e atendimentos, como os realizados pela psicóloga infantil Mariane da Silva e a fonoaudióloga Regina Coelho. Ambas as profissionais atuam realizando atendimentos individuais e também em grupo, junto a outros profissionais.

“O tempo de tratamento com os pacientes em grupo é reduzido e a evolução deles é significativa. Para pacientes autistas, que enfrentam dificuldades na comunicação e na interação social, a dinâmica de grupo estimula essas habilidades de forma eficaz. Além disso, as intervenções multiprofissionais contribuem ainda mais para a evolução desses pacientes”, comentou Mariane.

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real  CLIQUE AQUI
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90