Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90
Araguaia Notícia  Publicidade 728x90
26/05/2024 às 10h56min - Atualizada em 26/05/2024 às 10h56min

Mulher morre e o principal suspeito é marido fisiculturista que está preso

G1 GO
Araguaia Notícia
Marcela Luise de Souza Ferreira, de 31 anos, tinha ferimentos equivalentes a queda de grandes alturas ou acidente automobilístico quando foi levada ao hospital pelo fisiculturista Igor Porto Galvão, segundo a delegada Bruna Coelho. A mulher morreu dez dias depois de ser internada e, conforme a Polícia Civil, o homem foi preso e indiciado por feminicídio.

"As lesões são totalmente incompatíveis com uma queda da própria altura. O médico legista chegou a dizer que [as lesões] são compatíveis até mesmo com queda de grandes alturas ou até mesmo acidentes automobilísticos por conta da extensão", disse a delegada.

Segundo a delegada, essas lesões encontradas no corpo da vítima contradizem a história de que ela teria caído, versão apresentada pelo suspeito ao levá-la ao hospital . "Não há dúvidas que a intenção dele era realmente matar a companheira. Pelos elementos que nós colhemos, observamos que as lesões são totalmente incompatíveis com uma queda da própria altura", afirmou.

Igor foi preso dia 17 de maio. Ao g1, os advogados dele lamentaram a morte de Marcela e disseram que entrarão com pedidos para que a prisão preventiva seja substituída por outras medidas cautelares (leia a nota completa ao final da reportagem).

Em coletiva de imprensa realizada na sexta-feira (24), a delegada afirmou que testemunhas ouvidas definiram o suspeito como agressivo e explosivo. "A maioria das testemunhas que a gente ouviu disse que ele é agressivo, que ele é explosivo, encrenqueiro e sempre está discutindo. As ocorrências dele demonstram isso", disse Bruna Coelho.

Marcela foi levada ao hospital no dia 10 de maio e morreu no dia 20. O laudo cadavérico afirma que ela morreu por traumatismo craniano. Foram encontradas também múltiplas fraturas no corpo da vítima, que teve 8 costelas quebradas.

Marcela Luise de Souza foi levada pelo fisiculturista para o hospital no dia 10 de maio e, na ocasião, segundo a Polícia Civil (PC), Igor disse para os médicos que a mulher caiu em casa. Câmeras de segurança registraram o exato momento em que o carro do casal deixou o condomínio em que eles moravam.

À TV Anhanguera, Marcela era uma mulher doce, amorosa e muito sorridente. Ela trabalhava há três meses como secretária do fisiculturista e não tinha redes sociais. “Ela tinha, mas apagou. Quando perguntaram, ela disse que precisava de foco, se concentrar mais e que [as redes sociais] tomavam muito o tempo dela. Mas a gente sabe que era uma forma dele controlar ela”, ressaltou.

A mulher deixou uma filha de 5 anos fruto do relacionamento com o fisiculturista. Em entrevista à TV Anhanguera, a tia de Marcela contou que ela conheceu Igor na adolescência, na época da escola. Eles se reencontraram já adultos e, segundo Fernanda, começaram a se relacionar.

Histórico de violência

A investigação polícia descobriu que o fisiculturista tem um histórico de violência doméstica. "Ele tem antecedentes de Maria da Penha com ex-namorada e com a própria vítima. [Ela teve] medida protetiva deferida, contudo eles reataram e a medida foi arquivada", explicou a delegada.

"Eles moravam em Brasília. Ali teve um inquérito de lesão corporal, inclusive, nós acreditamos, com os mesmos modus operandi, murros, chutes e socos", completou.

Nota da defesa de Igor na íntegra:

A defesa do investigado Igor Porto Galvão lamenta profundamente a morte de Marcela Luise, e continuará pronunciando apenas com relação às investigações. Sobre a decretação da prisão preventiva do Sr. Igor no ponto de vista da defesa não estão presentes os requisitos da prisão preventiva, ou seja, garantia da ordem pública, garantia da instrução criminal ou assegurar a aplicação penal.

Explico, o Igor possui profissão licita, é Nutricionista e Educador Físico, endereço fixo, é primário, em momento algum existe algo no processo que ele interferiu no bom andamento da investigação, pelo contrário a Polícia Civil esteve em sua residência fora de horário a fim de realizar pericia, e ele autorizou. Perícia essa que teve como resultado inconclusiva. Importante salientar que o colega Advogado que estava acompanhando o Igor, naquela oportunidade, já havia ido na Delegacia e colocado o Igor à disposição da Autoridade Policial . Até o presente momento o Igor não foi ouvido.

A defesa vai entrar com os pedidos cabíveis a fim de que a prisão preventiva seja substituída por medidas cautelares diferente do cárcere. Todo e qualquer manifestação adicional se dará preferencialmente nos autos processuais. Reiteremos ainda nossa total confiança no Poder Judiciário para a elucidação do caso em comento, buscando sempre a preservação dos incisos LV e LVII, art. 5º, (LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes; LVII - ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória;) positivados na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real  CLIQUE AQUI
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90