22/08/2014 às 08h55min - Atualizada em 22/08/2014 às 08h55min

Polícia descobre caso de incesto no Araguaia em que pai mantém relação com filha de 14 anos

Ronaldo Couto
Araguaia Notícia

Um caso de incesto foi verificado em Bom Jardim-GO, a 32 km de Barra do Garças, onde um lavrador de 46 anos vive ‘maritalmente’ com a própria filha de 14 anos numa fazenda a 22 km do município goiano. A denúncia partiu de vizinhos do lavrador que acharam estranho o fato dele morar no mesmo teto com a adolescente e sempre trocar carícias com a garota. 

Outro aspecto que chamou atenção é a semelhança física entre o lavrador e a adolescente. O conselho tutelar de Bom Jardim foi até a fazenda acompanhado de policiais militares (PMs) e descobriu que a menina na verdade é filha biológica do acusado. Ambos foram levados para delegacia de Aragarças-GO para prestarem informações.

O lavrador disse ao delegado Ricardo Galvão que começou a manter relação com a filha recentemente após ela completar 14 anos. Todavia há informação de que a relação incestuosa começou quando a menina tinha onze anos. O pai passou a morar com a filha depois que a mãe da adolescente foi presa acusada de matar o filho a pauladas.

Outra filha do lavrador, que não mora com ele, compareceu na delegacia e ficou revoltada com o pai. A revoltada chegou também a cidade de Bom Jardim com moradores falando até mesmo em linchamento do trabalhador.

Por medida de precaução o lavrador foi encaminhada para cadeia de Aragarças e está sendo mantido em cela separada. "Vamos indiciá-lo por abuso de menor em função da idade da garota", frisou o delegado, todavia o lavrador deve ser mantido em liberdade porque incesto não é considerado crime.

A adolescente chegou a comentar com um sargento, que estava na ocorrência, que gosta do pai e que pretende ficar com ele. Ocorrência registrada na tarde de quinta-feira pela PM de Bom Jardim e encaminhada a delegacia de Aragarças-GO.
 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.9%
23.7%
1.3%