14/08/2014 às 12h41min - Atualizada em 14/08/2014 às 12h41min

Rapaz é executado com 12 tiros de pistola enquanto dormia

Agencia da Noticia com Mídia News
Reprodução/Ilustração

Um homem armado com uma pistola ponto 40 invadiu um residência, no bairro CPA III, em Cuiabá, e executou com 12 tiros E.C.A., de 25 anos, no momento em que ele dormia.

Os tiros chamaram a atenção da mãe da vítima, que acordou e deparou com o criminoso, que ainda atirou três vezes contra ela, antes de fugir.

O assassinato seguido de tentativa ocorreu na madrugada desta quinta-feira (14), por volta das 3 horas.

Segundo a mãe do rapaz, o criminoso arrombou a porta usando um alicate de pressão, para retirar o miolo da fechadura. Com isso, ela não ouviu o barulho do arrombamento.

“Acordei com os tiros e, ao levantar, quase fui baleada também”, disse a mãe a um policial militar que atendeu a ocorrência.

O que chamou a atenção é que a arma utilizada no crime é de uso restrito – são utilizadas por policiais civis e militares.

Para policiais da Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP), o crime seria um "acerto de contas".

Segundo a Polícia, a mãe disse que E. esteve quatro anos preso pelos crimes de tráfico de entorpecentes e porte ilegal de arma.

Ele saiu recentemente de uma unidade prisional da Grande Cuiabá.

Operação do Gaeco

Elton foi preso no dia 29 de novembro de 2008, por agentes do Gaeco (Grupo de Apoio e Repressão ao Crime Organizado), do Ministério Público Estadual, durante a Operação Rakab – termo hebraico que originou a palavra droga.

Na ocasião, oito pessoas foram presas na Grande Cuiabá, sendo quatro policiais, que receberiam dinheiro de traficantes para fornecerem informações sobre as ações da Polícia envolvendo entorpecentes.

Conforme o Gaeco, Elton e mais dois homens e uma mulher já tinham conseguido escapar da prisão em outras operações, justamente porque teriam sido avisados antes de que a Polícia cumprisse mandados da prisão. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.9%
23.7%
1.3%