08/08/2014 às 09h17min - Atualizada em 08/08/2014 às 09h17min

Associação emite nota e defende produtores presos pela Polícia Federal

Agência da Notícia
Agência da Notícia

Não existe ação criminosa em uma associação legalmente constituída, foi com esta declaração que a Associação dos Produtores da Suiá Missu repudiou a ação da Polícia Federal, que culminou na prisão de 6 agricultores que foram despejados da área de 166 mil hectares demarcada como reserva indígena na divisa entre os municípios de Alto Boa Vista com São Félix do Araguaia.

Entre os presos estão o presidente da Associação, Sebastião Ferreira do Prado, o vice-presidente João Camelo e o ex-presidente Renato Teodoro. Não foram divulgadas Informações sobre o local em que os agricultores foram encaminhados. A nota da assocaição diz ainda que “trabalhadores jamais ficaram dentro da área sem uma liminar, sendo retirados de suas casas de forma truculenta e injusta, baseada em um comprimento provisório de sentença, oriunda de um processo cheio de inconsistências, fraudes e adulterações de documentos, fato esse amplamente denunciado as autoridades e a Polícia Federal que em um caso se mostra tão eficiente e que em outra tão omissa”.

A Polícia Federal afirma que os presos incentivavam a ocupação constante de áreas indígenas, e investiga uma possível formação de quadrilha.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%