03/08/2014 às 10h44min - Atualizada em 03/08/2014 às 10h44min

Professora tem infarto fulminante e morre ao dar entrada no Med Barra

Ronaldo Couto
Arquivo pessoal da acadêmica de Letras: Jordana Scalia professora Célia Benquerer

Faleceu por volta das 19 horas de sábado (2) a professora Célia Regina Benquerer, 54 anos, do curso de Letras da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) campus Araguaia. Ela passou mal quando estava num estabelecimento comercial e, ainda assim, conseguiu dirigir o veículo até o Hospital Med Barra a procura de atendimento médico. Célia deixou a chave na ignição do carro e entrou no hospital se identificando na recepção, quando teve um infarto fulminante que a vitimou. Os médicos tentaram reanimá-la, mas não conseguiram.

A partir do momento que hospital avisou sobre ocorrido começaram a chegar professores e amigos de Célia até o Med Barra a procura de mais informações.    

Célia atuava atuava como coordenadora de Estágio Curricular Supervisionado e do PIBID de Letras. Com doutorado em Romance Languages, a professora natural de Minas Gerais se tornou efetiva da UFMT em 2005 com as disciplinas de Literatura e Língua Inglesa.

Ela fez a graduação em Letras Português/Inglês pelas Faculdades Metodistas Integradas Isabela Hendrix-Belo Horizonte-MG (1989); mestrado (1995) e doutorado (2000) em Romance Languages Estudos Literários pela Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill nos Estados Unidos.

Célia também participou de dezenas projetos de extensão na UFMT. Em 2013 ela atuou nos estudos sobre a Interculturalidade e o ensino funcionalista no cotidiano dos alunos indígenas em escolas públicas urbanas; oficinas de Língua e Literatura: a prática das habilidades da Linguagem e Vozes do Cerrado sobre declamadores de Poesia em companhia do professor Adenil da Costa Claro.

Em 2011/2012 fez o projeto Sociedade dos Jovens Escritores que promoveu o diálogo entre os jovens escritores da comunidade acadêmica do campus Araguaia da UFMT e alunos de rede pública de ensino de Barra do Garças e Pontal do Araguaia (MT) e Aragarças (GO) com a professora Raimunda Alves. 

Auxiliou na implantação do projeto Cineclube Roncador em 2011 desenvolvido em parceria pelos cursos de Letras e Jornalismo.

A coordenadora do curso de Letras, professora Águeda Aparecida da Cruz Borges lamentou a morte da professora. "Conosco ficam as lembranças e o resultado de um trabalho de parceria...os alunos, mais do que nós seguirão sendo um pouco ela. Estamos triste".

A professora Lennie Bertoque, do departamento de Letras, esteve no hospital Med Barra como vários colegas sentidos com o fato. "A Professora Célia era um exemplo de profissionalismo. Sempre dedicada, pontual e discreta na efetivação de suas atividades acadêmicas, contribuiu significantemente para o Curso de Letras e, agora, deixa muitas saudades. Ela foi minha professora no Curso de Letras e, quando me tornei docente, em 2011, ela se tornou não apenas minha colega, mas uma parceira e amiga. Sentimos muita dor nesse momento, mas nos alegramos por tudo que recebemos e compartilhamos com ela nesses últimos anos".

Quem também esteve no hospital foi pró-reitor do campus UFMT/Araguaia, professor José Marques Pessoa.

Alunos de Célia se manifestaram na rede social sobre o passamento da professora. O acadêmico Evandro Gonçalves escreveu no face dele ontem à noite: “Hoje, no fim de tarde, a professora Célia Benquerer nos deixou. Nos deixou em todos os sentidos. Nos deixou a sua simplicidade, seu sorriso estreito, sua forma marcante de nos levar a reflexão, o prazer de sua presença que já não vamos desfrutar. Nos deixou... e deixou... em cada um de nós um vazio inexplicável, um silente sentimento de perda, que, penso, bem entoa com o tom discreto que lhe era peculiar. Deixou-nos sem a oportunidade de dizermos o quanto ela significa para nós, o quanto é querida, e como deixou marcas em todos nós... quando em todos os sentidos nos deixou. Penso que lamentos e desespero não lhe cairiam bem... então resta-nos a gratidão... uma enorme e profunda gratidão, uma gratidão repleta de "bemquerer".

O corpo da professora Célia Benquerer seguiu para ser velado e sepultado no estado de Minas Gerais.


 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.5%
1.3%