17/07/2014 às 08h24min - Atualizada em 17/07/2014 às 08h24min

Deficiente auditiva morre atropelada por moto e funerária pega corpo antes da hora

Ronaldo Couto
Blog da Agehab

Uma senhora com deficiência auditiva faleceu na noite de quarta-feira (17) em Bom Jardim de Goiás, a 32 km de Barra do Garças, vítima de atropelamento. A dona-de-casa Leni Barbosa de Jesus, 54 anos, foi atingida por uma moto quando atravessa uma rua da cidade. A família bastante humilde ainda acompanhou uma 'briga' pelo corpo da moradora onde uma funerária pegou o corpo antes mesmo de ser visto pelo médico legista (veja a seguir).

Ela chegou a ser socorrida com ferimentos pelo corpo e suspeita de traumatismo craniano pois bateu a cabeça no meio-fio após ser arremessada com a pancada. O condutor da moto permaneceu no local do acidente e prestou as informações aos policiais militares. 

Ele alega que a senhora que é ‘surda e muda’ não observou o trânsito na hora de atravessar a rua e por isso foi atropelada. Todavia testemunhas informaram aos PMs que o motociclista estava em alta velocidade fato que arremessou a senhora para o lado da calçada.

 

BRIGA POR CORPO

Houve um princípio de confusão no hospital onde uma funerária retirou o corpo antes mesmo dele ter sido periciado por um médico legista fato que deveria ter ocorrido em Aragarças. O questionamento partiu de outra funerária interessada também em pegar o corpo.

O médico legista que atende na região é Zé Maria. A região de Aragarças enfrenta o descaso de não ter perícia e ter que requisitar o serviço de Iporá. Esse fato já causou vários constrangimentos nos municípios de Baliza, Aragarças e Bom Jardim e infelizmente ainda não foi resolvido pelo Governo do Estado de Goiás.
 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.3%
1.4%