21/05/2022 às 08h25min - Atualizada em 21/05/2022 às 08h25min

Loja Avenida terá que indenizar ex-funcionária vítima de assédio; empresa diz que vai recorrer

Funcionária diz que era constantemente humilhada por uma gerente da empresa. Esse fato aconteceu em Primavera do Leste

Araguaia Notícia com Midia News

“Que merda de fiscal é você que não está vendo isso acontecer?”. “Você nunca vai ser vendedora, acho melhor procurar outra área para trabalhar!”. Essas são algumas das frases que a trabalhadora de uma unidade da rede de lojas Avenidas (Giovanna Calçados), em Primavera do Leste, ouvia repetidamente da gerente da unidade.

O tratamento abalou a saúde mental da ex-empregada, que atuou na empresa por quase cinco anos. No início de 2022, ela buscou a Vara do Trabalho de Primavera para denunciar o tratamento que recebia. Levando em consideração a legislação nacional e internacional, o juiz Mauro Vaz Curvo condenou a empresa a pagar R$ 7,5 mil de indenização por danos morais.

A trabalhadora contou que começou a ser vítima de humilhações quando assumiu a função de fiscal de loja, na qual era responsável pela prevenção e perdas. Como se não bastasse o tratamento que recebia, a gerente mandava ela fazer outras atividades que não estavam no seu contrato, como a quebra de caixa. Chegou a ser acusada de ter furtado R$ 8 mil que faltaram no balanço da tesouraria.

"Pede para sair"

Após o ocorrido, a gerente sempre fiscalizava excessivamente as atividades realizadas pela fiscal e a intimidava com dizeres como “se não está satisfeita, pede para sair” e a afastava de tarefas que costumava realizar de modo habitual. O que, segundo o juiz, “demonstra a desconfiança e hostilidade no ambiente laboral”.

“É clarividente o sentimento de impotência, inferioridade e humilhação que a obreira sentiu em atmosfera laboral absolutamente abusiva que a subjugava. Tais fatos implicam com grande ênfase em todos os âmbitos de sua vida, na saúde psíquica, emocional e até física, haja vista os prejuízos e afrontas aos direitos fundamentais, os quais são diretamente relacionados com a proteção da dignidade da pessoa humana”, afirmou.

O magistrado explicou que ela sofria assédio moral vertical descendente pois trabalhava “em ambiente de trabalho hostil e degradante, uma vez que não era tratada com respeito e urbanidade, vindo a sofrer humilhações, até mesmo em público, por parte da gerente da empresa, o que causava temor psicológico”.

O outro lado

A Lojas Avenidas enviou nota sobre a decisão. Leia abaixo:

 "A Lojas Avenida desconhece qualquer tratamento desrespeitoso do seu quadro de colaboradores e preza pela saúde física e emocional de todos. Como a ação ainda não transitou em julgado, será objeto de recurso."

 
Notícias Relacionadas »
Comentários »