Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90
Araguaia Notícia  Publicidade 728x90
04/03/2022 às 21h06min - Atualizada em 04/03/2022 às 21h06min

Justiça mantém prisão de servidor que matou homem em praça

Gabriel Carrijo foi morto a facadas na quarta-feira; acusado teve prisão convertida em preventiva

Midia News
ARAGUAIA NOTÍCIA
A Justiça manteve a prisão do servidor da Saúde municipal Carlos Eduardo Silva Bello Ribeiro, de 27 anos, que confessou ter matado Gabriel Carrijo Gonçalves, 20, a facadas.
 
O crime aconteceu na quarta-feira (2) em uma praça no Bairro Recanto dos Pássaros. 
 
A decisão, assinada após audiência de custódia, foi proferida pelo juiz Jurandir Florêncio de Castilho Júnior, da 11ª Vara Criminal da Capital, nesta quinta-feira (3).
 
Carlos Eduardo foi preso em flagrante horas após o crime em sua casa. A prisão em flagrante foi convertida em preventiva.
 
"Verifica-se que há prova da materialidade e indícios suficientes de autoria, consoante se infere dos depoimentos dos policiais civis, das testemunhas que presenciaram o autuado arrastando a vítima para o local de mata onde foi encontrada, além da confissão do próprio flagrado, embora sob a alegação de legítima defesa”, consta na decisão.
 
Gabriel foi morto a facadas após uma briga. Carlos, que é servidor do Centro de Especialidades Médicas da Prefeitura de Cuiabá, afirma que foi até o local para fumar um cigarro de maconha, quando foi surpreendido por uma tentativa de assalto.
 
“Em razão de tais argumentos, inegável que o pedido de liberdade apresentado pela defesa do autuado não merece acolhida, notadamente porque fundado apenas no fato de o flagranteado possuir condições favoráveis e de ter agido em legítima defesa, o que, contudo, não ilide a decretação de sua prisão”, argumenta o juiz. 
 
Versões diferentes
 
Em depoimento na Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Carlos afirmou que agiu em legítima defesa contra um assalto. Em sua versão, Gabriel foi até a praça e anunciou que era um roubo, exgindo o celular, carteira e o tênis. 
  
O delegado que investiga o caso, Anderson Veiga, afirmou ao MidiaNews que não descarta outras versões que estão sendo levantadas sobre o crime, inclusive a de discussão por dívidas com drogas.
 
“Tanto a versão de legítima defesa em relação a uma tentativa de roubo quanto outras versões que estão sendo levantadas, como, por exemplo, dívidas de drogas, desavença pessoal, também estão sendo consideradas”, disse.

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90