Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90
Araguaia Notícia  Publicidade 728x90
28/12/2021 às 07h32min - Atualizada em 28/12/2021 às 07h32min

Sargento da PM que atirou na ex-mulher pede liberdade ao TJ de MT

Defesa alega constrangimento ilegal por excesso de prazo

Rafael Costa / Folhamax 
ARAGUAIA NOTÍCIA 


O sargento da Polícia Militar, Ronaldo Henrique de Amorim Neves, ingressou com pedido de habeas corpus no Tribunal de Justiça para responder em liberdade a uma acusação de tentativa de homicídio após atirar contra a ex-esposa, que se recusava a retomar o relacionamento afetivo. Ele está preso desde o dia 24 de fevereiro. 

Por isso, a defesa alega constrangimento ilegal por excesso de prazo. Em segundo plano, requer a substituição da prisão preventiva pela adoção de medidas cautelares como a utilização de tornozeleira eletrônica. O pedido está concluso para julgamento desde o dia 13 de dezembro no gabinete do desembargador Luiz Ferreira da Silva. 

De acordo com a investigação, Ronaldo Neves paciente propôs uma reconciliação a sua ex-esposa, mas a vítima teria se negado a reatar o relacionamento e o ignorou dando as costas. 

A partir daí, ele sacou a arma que utiliza na função de policial militar e efetuou três disparos contra a muher, atingindo-a com dois disparos nas costas e um no braço esquerdo.

O Ministério Público do Estado já ofereceu denúncia por tentativa de homicídio, com implicações da Lei Maria da Penha, faltando a pronúncia para levá-lo a júri popular. 

A defesa alega que “o direito do paciente foi cerceado ao negar sua liberdade, eis que preenche todos os requisitos necessários a responder o processo em liberdade, sendo ele funcionário público estadual (POLICIAL MILITAR) estando recolhidos de forma desnecessária”.

CLIQUE AQUI  e entre no grupo de whatsApp do ARAGUAIA NOTÍCIA e receba informações em tempo real

CLIQUE AQUI e entre no grupo do telegram do ARAGUAIA NOTÍCIA e receba informações em tempo real

“Assim, no caso, a decisão impugnada não atende a Constituição Federal e Código de Processo Penal à prisão preventiva, especialmente à medida que invoque fundamentação genérica apoiada em conceito normativo aberto, sem demonstração concreta de elementos indicativos do risco à ordem pública, limitando-se a autoridade coatora à enumeração de antecedentes criminais e ações penais deflagradas contra o paciente e sem trânsito em julgado, em verdadeira expressão de um “direito penal do autor em detrimento do fato então devolvido ao seu conhecimento”.

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)
Notícias Relacionadas »
Comentários »