Araguaia Notícia  Publicidade 1200x90
Araguaia Notícia  Publicidade 728x90
02/12/2021 às 17h43min - Atualizada em 02/12/2021 às 17h43min

Conselho define plano de ações do Museu de História Natural do Araguaia para 2022

Araguaia Notícia
Os membros do Conselho Diretor do Museu de História Natural do Araguaia (MuHNA) já preparam o Plano de Ações para o próximo ano. Esta é uma das primeiras ações do conselho nomeado em setembro deste ano e que reúne professores, servidores e acadêmicos dos três institutos do Campus Universitário do Araguaia. 

Segundo a diretora do museu Márcia Cristina Pascotto, o desafio para os próximos anos é garantir recursos financeiros e humanos para a manutenção e exposição do acervo. A diretora adianta que está em contato com a Procev, a vice-reitoria e a direção do ICBS para angariar fundos financeiros e profissionais para a manutenção das instalações. Recentemente, foi autorizada a  contratação de estagiário para atendimento ao público.  “Além disso, os conselheiros do museu também estão sempre acompanhando editais para fomentar projetos de pesquisa e de extensão”, completa. 

As novas atrações do MuHNA para 2022 são resultado da parceria com o Grupo de Estudos em Mamíferos Marinhos Lagos (GEMM-Lagos), ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-RJ). São esqueletos de golfinhos, de três a quatro espécies de tubarões de pequeno porte, algumas raias, alguns polvos, lulas, conchas, moluscos marinhos etc. “Por estarmos em uma região de Cerrado, nosso acervo de animais marinhos é reduzido. Essa doação do GEM-Lagos vem aumentar nosso acervo de animais desse ecossistema”, pondera Pascotto. 

A proposta para 2022 é investir principalmente nos projetos de visitação para receber o máximo de alunos e professores da Educação Básica de Barra do Garças, Pontal do Araguaia e Aragarças. Os visitantes ainda terão acesso às oficinas e mostras de cinema que acontecerão nas férias de julho, na temporada de praia na região, sempre com parceria com docentes e acadêmicos da UFMT.  

CLIQUE AQUI  e entre no grupo de whatsApp do ARAGUAIA NOTÍCIA e receba informações em tempo real

CLIQUE AQUI e entre no grupo do telegram do ARAGUAIA NOTÍCIA e receba informações em tempo real

RETOMADA

Para a retomada das atividades pós-pandemia, o MuHNA prepara desde a constituição do Conselho Diretor. Na primeira reunião em outubro o tema já foi debatido e será elaborado um plano de retorno das atividades presenciais, que já foi solicitado pelo ICBS, e será encaminhado até o final de dezembro. Confira a seguir a entrevista completa com a diretora do MuHNA.
O Conselho Diretor recentemente nomeado é resultado da aprovação do Regimento do Museu pelo Conselho Diretor da UFMT. Como foi esse processo de institucionalização?

Segundo a diretora Márcia Pascotto, o conselho diretor foi nomeado após a criação pelo Conselho Diretor da UFMT, por meio da Resolução 22/2019 que criou o Museu História Natural do Araguaia e da CD 05/2020, que vinculou o museu ao Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde do Campus Araguaia. 

Quais os principais desafios do MuHNA para 2022  e como os conselheiros se preparam para ampliar o público da instituição?

Os principais desafios do MuHNA para os próximos anos é garantir recursos financeiros e humanos. Primeiramente, garantir recursos financeiros para manutenção do acervo, tanto em exposição quanto aquelas peças que precisam ser preparadas, e ampliar as coleções. Estamos em contato com a Procev, a vice-reitoria e a direção do ICBS para angariar fundos financeiros para a manutenção das instalações. Além disso, os conselheiros do museu também estão sempre acompanhando editais para fomentar projetos de pesquisa e de extensão. . 

Outro desafio é a composição de recursos humanos, pois não temos funcionários para atendimento ao público. Só temos a equipe de professores e uma servidora técnica que dedica parte da sua jornada especificamente no museu, sendo responsável pela parte técnica de preparação e manutenção do acervo, mesmo não sendo exclusiva do MuHNA. O desafio é a contratação ou designação de servidores exclusivamente para o atendimento ao público, pois recebemos cerca de 40 visitantes a cada visita técnica, o que torna inviável receber os visitantes com apenas com um monitor.  Nos reunimos recentemente com a direção do ICBS e a vice-Reitoria buscando a contratação de servidores e estagiários para que possam atuar tanto no atendimento ao público quanto no preparo do acervo.  

Como o museu prepara-se para a reabertura pós-pandemia? O conselho tem debatido um plano de retomada?

Para a retomada das atividades, estamos nos preparando desde a constituição do Conselho Diretor. Na primeira reunião em outubro o tema já foi debatido e estamos elaborando um plano de retorno das atividades presenciais, que já foi solicitado pelo ICBS, e será encaminhado até o final de dezembro. 

Na reabertura, o público terá novas atrações (novas coleções, por exemplo)?

Na abertura em 2022, iremos expor um acervo de invertebrados e vertebrados marinhos que recebemos do Grupo de Estudos em Mamíferos Marinhos Lagos (GEMM-Lagos) ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-RJ). Diante da informação da oportunidade de doação, entramos em contato e nos doaram esqueletos de golfinhos, de três a quatro espécies de tubarões de pequeno porte, algumas raias, alguns polvos, lulas, conchas, moluscos marinhos etc. Por estarmos em uma região de Cerrado, nosso acervo de animais marinhos é reduzido. Essa doação do GEM-Lagos vem aumentar nosso acervo de animais desse ecossistema.  Além disso, vamos reorganizar o espaço expositor das coleções com essas novas peças incorporadas e outras que já estão em preparação para a visitação.

Em quais projetos o museu pretende investir esforços no próximo ano?

Vamos investir principalmente nos projetos de visitação para receber o máximo de alunos e professores da Educação Básica por meio de parcerias com as prefeituras de Barra do Garças, Pontal do Araguaia e Aragarças. Infelizmente, a UFMT não dispõe de transporte para trazer os alunos. As parcerias visam garantir o acesso dos estudantes locais ao museu, que equivalem a cerca de 80% dos visitantes.

Também iremos fortalecer os projetos de pesquisa para que professores e pesquisadores associados possam trazer recursos ampliando o acervo de pesquisa, a visitação e os equipamentos. Da mesma forma, os projetos de extensão, especialmente os programas, Cultural e Educação Museal, terão atenção especial, como os eventos nacionais Semana Nacional de Ciência e Tecnologia e a Primavera dos Museus, eventos em que podemos desenvolver atividades locais de acordo com o tema proposto e recursos recebidos das agências financiadoras. 

Além disso, o museu seguirá com os projetos educativos e formação de professores por meio de oficinas e mostras de cinema que acontecerão nas férias de julho, na temporada de praia na região, sempre com parceria com docentes e acadêmicos da UFMT.  Ainda em termos educacionais, vamos nos esforçar para a aquisição de mobiliário e brinquedos, compondo uma brinquedoteca com móveis e brinquedos educativos para que crianças de até 10 anos possam ter outras atividades educativas, além das visitas e das mostras de cinema, por exemplo. 

Esses projetos estão alinhados ao Plano Museológico que está em construção?
Todas essas ações, programas e projetos estão alinhados com o Plano Museológico. Toda instituição, conforme prevê o Estatuto dos Museus, precisa registrar anualmente o planejamento, que inclui a política de descarte, entre outras normativas. Nosso plano deverá contemplar o diferencial do MuNHA, que é a inclusão. Por isso, a instituição pretende incluir o máximo possível de público de forma cada vez mais abrangente e inclusiva, prevendo isso no Plano Museológico. O museu já nasceu com a Sala dos Sentidos, incluindo pessoas com deficiência visual na visitação explorando pelo tato e pela audição uma parte do museu. Os videntes também podem experimentar as mesmas sensações de olhos vendados e guiados pelos monitores. Neste sentido, pretendemos ampliar essa acessibilidade com legendas em braille e língua xavante nas placas informativas e  vídeos com legenda em LIBRAS. 
Conheça os integrantes do Conselho Diretor do Museu de História Natural do Araguaia 

Márcia Cristina Pascotto - (Diretora)

Luana dos Anjos Ramos (Vice-Diretora)

Deyvisson Pereira da Costa (Membro Titular Docente) 

Ivairton Monteiro Santos (Membro Titular Docente) 

Silvio Cesar Oliveira Colturato (Membro Titular Docente) 

Lusnaiara Rodrigues Lima - (Membro Titular Técnico Administrativo) 

Sthefany Gonsalves Teixeira - (Membro Titular Discente) 

Fabiana Morandi Jordão - (Membro Suplente Docente)

Maurício da Silva Guedes - (Membro Suplente Docente) 

Maxwell Gomes Miranda - (Membro Suplente Docente) 

Heloisa Lima de Carvalho - (Membro Suplente Técnico Administrativo) 

Ingred da Silva Nascimento - (Membro Suplente Discente)

Araguaia Notícia  Publicidade 790x90


Entre no grupo do Araguaia Notícia no WhatsApp e receba notícias em tempo real (CLIQUE AQUI)
Notícias Relacionadas »
Comentários »