28/09/2021 às 15h44min - Atualizada em 28/09/2021 às 15h44min

Estudante de medicina de Barra do Garças é acusado de agredir namorada em Belo Horizonte

Segundo depoimento da vítima, José Flávio, de 27 anos, a agrediu quatro vezes

Gabriela Campos Duarte Machado, 22 anos, diz que sofreu agressões do ex-namorado, em BH. Na foto da esquerda, ela antes de ser agredida e, na direita, após a violência
G1 e Semana 7 via Araguaia Notícia

A Polícia Civil informou que o estudante de medicina José Flávio Carneiro dos Santos, de 27 anos, que é de Barra do Garças-MT, pagou R$ 5 mil de fiança para ser solto após ser preso em flagrante por agressões denunciadas pela ex-namorada Gabriela Campos Duarte Machado, de 22 anos.

Ainda segundo a polícia, foi pedida medida protetiva de urgência para a vítima. O g1 perguntou à Justiça se o pedido já foi aceito e aguarda retorno. O caso segue em apuração na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher.

A violência veio à tona após Gabriela, que também é estudante de medicina, publicar seu relato nas redes sociais no último domingo (26). Até a manhã desta terça-feira (28), a publicação já tinha tido mais de 13 mil reações e muitas manifestações de apoio, principalmente de outras mulheres. "Postei para me proteger e proteger as outras meninas”, disse Gabriela.

Em conversa com o g1, na tarde desta segunda-feira (27), ela contou que as últimas agressões aconteceram dentro do apartamento do ex-namorado, na Savassi, região nobre de Belo Horizonte.

"Esta foi a quarta vez que ele me bateu. Estávamos voltando de um relacionamento totalmente abusivo, mas estava dando uma chance, ainda era segredo. Foi quando eu vi uma mensagem de uma menina falando que era namorada dele, fui questionar e ele já veio para cima de mim", contou Gabriela.

Desmaio e resgate dos vizinhos

A vítima disse que ele chegou a trancá-la no quarto, onde começou a espancá-la. Ela falou ainda que chegou a fingir que estava desmaiada para que o namorado parasse as agressões. "Ele só parou quando ouviu os vizinhos falando que iam chamar a polícia. Tive medo de morrer", relatou a estudante.

Os vizinhos ouviram os gritos de Gabriela, conseguiram invadir o apartamento e a levaram para a delegacia, onde foi registrado um boletim de ocorrência.

"Ela estava com sangramento na orelha, o pescoço bem vermelho, os braços, as pernas. Não tinha nenhuma lesão maior, só a da orelha mesmo, que estava sangrando", disse uma vizinha, que preferiu não se identificar.

Pagou fiança e bebeu com os amigos

Segundo Gabriela, após ser preso em flagrante e liberado devido ao pagamento da fiança, José saiu para beber com os amigos.

"Depois de me bater, no dia seguinte, ele foi beber com os amigos, pelo que soube, e ainda vi nas redes sociais que ele viajou no sábado para São Paulo para fazer uma tatuagem, ou seja, vida normal. Eu sei que preso ele não vai ser porque ele é rico. Só quero ele longe de mim", disse.

Gabriela disse que, depois da publicação nas redes sociais, outras meninas a procuraram dizendo que também foram vítimas de agressões pelo suspeito.

A primeira vez que ela sofreu agressão foi no dia 12 de setembro de 2020. A segunda aconteceu no dia 2 de janeiro deste ano. A terceira foi no dia 7 de abril. A quarta e última, no dia 23 de setembro

Estrangulamento e murros

Gabriela disse que o relacionamento dos dois era muito conturbado. A primeira vez que ela sofreu agressão foi no dia 12 de setembro de 2020. A segunda aconteceu no dia 2 de janeiro deste ano. A terceira foi no dia 7 de abril. A quarta e última, no dia 23 de setembro.

"As coisas começaram muito sutis. Um xingamento ou outro, me cercando na porta da minha casa, insistência no telefone, um aperto no braço. Aí viraram estrangulamentos e murros. Me tornei uma pessoa insegura, ciumenta, medrosa e incapaz de discernir o que era amor, cuidado e atenção. Por que eu voltava? Porque eu amei ele demais e fingia que nada havia acontecido, mas agora não tenho medo mais, chega, sabe?", disse.

A jovem entrou na Justiça pedindo medida protetiva contra o ex-namorado e disse que espera que "algo seja mudado". "Eu quero que ele sofra com isso, que sofra consequência, não desejo mal, mas quero que ele mude, que fique muito longe de mim”, deseja Gabriela.


O g1 entrou em contato com José Flávio, mas ele preferiu não se manifestar.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.7%
17.6%
76.6%