08/07/2021 às 20h42min - Atualizada em 08/07/2021 às 20h42min

Documentário de estudantes de Jornalismo de Barra do Garças é selecionado para compor plataforma de cinema cultural

“Território: Nosso Corpo, Nosso Espírito,” produzido por estudantes da UFMT Barra do Garças representa o estado mato-grossense em catálogo em plataforma de cinema.

Marcos Antônio / Agência Focaia
ARAGUAIA NOTÍCIA
“Ter essa mostra online é uma oportunidade para conhecer um pouco mais da cultura do Povo Xavante,” afirma a produtora Clea Torres - Imagem: reprodução.
O documentário “Território: Nosso Corpo, Nosso Espírito,” produzido pelos estudantes egressos (ex-alunos) da UFMT, Araguaia, Clea Torres e João Rocha, estreou no mês passado na plataforma do Itaú Cultura Play, que traz produções gratuitas e dedicadas a criações nacionais.

A produção fílmica é o resultado do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) dos estudantes da graduação em jornalismo na Universidade Federal do Estado de Mato Grosso, Campus Araguaia, Unidade II (UFMT/CUA), em 2019, orientado pelo professor Gilson Costa.

A película trata do protagonismo das mulheres, sobretudo da etnia Xavante, na busca por direitos e demarcações de terras dos povos indígenas. A produção cinematográfica entra como único filme mato-grossense selecionado para fazer parte do catálogo do site Itaú Cultura Play, na sessão “Questões Indígenas”.

 
O documentário realiza cobertura do Acampamento Terra Livre em Brasília na luta por direitos as mulheres Xavantes - Imagem Clea Torres.
 
O documentário é uma parceria com o Núcleo de Produção Digital (NPD) da UFMT, Campus Araguaia, e a Namunkurá Associação Xavante (NAX). A produção dá destaque para o ‘protagonismo das mulheres indígenas’ do Acampamento Terra Livre (ATL/2019) em Brasília, e da aldeia Xavante Namunkurá, de São Marcos, em Barra do Garças.

O curta metragem com duração de 27 minutos ressalta os discursos das mulheres Xavantes, com liderança nas comunidades que pertencem e fora dos seus territórios na frente da luta indígena.

A produção dos estudantes egressos da UFMT, com pouco mais de dois anos, mereceu reconhecimentos do universo do cinema, com Menção Honrosa no Cine Fest São Jorge2020 e na 9° Mostra Ecofalante de 2020, integrando as mostras SaranCINE 2021, na cidade de Juiz de Fora (MG) e Cine Kurimin de 2021, em Salvador. Eventos que, por consequência da pandemia da covid-19, foram realizados de forma remota.
 
Produção do documentário

Segundo Torres e Rocha, a ideia para a criação do documentário floresceu a partir do contato com a cultura Xavante, após participação em trabalho de extensão no Núcleo de Produção Digital da UFMT.

Como destaca Lea Torres, em parceria com João Paulo, trabalharam “em outros projetos com o povo Xavante. Em 2017, nós, em conjunto de mais dois colegas, fomos vencedores no Prêmio Jovem Jornalista do Instituto Valdemir Herzog. A nossa pauta era sobre a violência contra a mulher Xavante”.

Então com a chegada do tão aguardo Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) não tiveram dúvida sobre o tema a ser explorado. Como afirma Rocha, então a dupla começou a produção do documentário em abril e conclusão em setembro de 2019.

O destaque do documentário leva os produtores à conclusão de que “as pessoas estão cada vez mais dando atenção para as pautas dos povos indígenas. ” Torres acrescenta que a esperança é que o documentário tenha ainda mais visibilidade, e esteja brevemente nas escolas, nos cineclubes e principalmente circulando nas aldeias.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.9%
5.1%
20.5%
72.6%