12/10/2011 às 10h29min - Atualizada em 12/10/2011 às 10h29min

GO desativa postos fiscais na divisa com MT e Barra agradece

Olhar Direto
A Semana no Araguaia Caos nas pontes divisa de MT e GO

O governo do estado de Goiás desativou mais três postos fiscais na divisa de Goiás com Mato Grosso. A medida beneficia em parte a população da região de Barra do Garças que sofre com o congestionamento de carretas nos postos fiscais de Pontal do Araguaia e Aragarças-GO, que foi desativado desde o dia 5 de outubro. O estado fechou também as unidades de Rio do Peixe e Baliza; e 2010 de Cocalinho, Itacaiu e Registro do Araguaia.

O supervisor da Secretaria de Fazenda (Sefaz) de Goiás, em Aragarças, João Batista, explicou que desde a implantação da nota fiscal eletrônica a fiscalização na saída do estado tornou-se desnecessária. “Não haverá prejuízo para o fisco de Goiás e vai melhorar o trânsito para população de Aragarças”, argumentou.

A diminuição do volume de carretas do lado de goiano só não é total porque ainda permanece uma equipe da empresa de Agrodefesa de Goiás inspecionando carga viva (animal) e grãos de caminhões e carretas que ainda precisam parar após a ponte do Rio Araguaia.

Do lado de MT, o governador Silval Barbosa já determinou que a Sefaz providencie a retirada do posto fiscal de Pontal do Araguaia criando unidades móveis na saída de Barra do Garças para Cuiabá, Nova Xavantina e Araguaia para desobstruir as pontes conforme anunciou semana passada o promotor Marcos Brant e o coronel Valdemir Barbosa. “Essa mudança deve nos próximos quatro meses”, adiantou Brant.

A desativação do posto fiscal de Pontal está sendo considerada uma medida ideal para diminuir o caos nas pontes Garças e Araguaia, enquanto se aguarda a construção do anel viário. Todavia, o contorno de Barra avaliado em R$ 80 milhões, sequer foi inserido no PAC 1 e 2 do governo federal para MT.  


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.3%
4.8%
16.7%
77.2%