14/06/2021 às 09h45min - Atualizada em 14/06/2021 às 09h45min

Queda de aeronave que matou quatro em MT ocorreu 30 minutos após decolagem e pode ter sido causada por falha no motor

Olhar Direto
Araguaia Notícia
Dados preliminares divulgados pelo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VI), ligado ao Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), apontam que a queda da aeronave ocorrida no dia 08 de junho, nas proximidades do km 21 da Rodovia do Peixe, em Rondonópolis (215 quilômetros de Cuiabá), se deu 30 minutos após a decolagem.

A aeronave decolou do Aeródromo Agropastoril Bom Pastor, em Rondonópolis, às 12 horas, com objetivo de realizar um voo privado, com um piloto e três passageiros a bordo.

"Aproximadamente 30 minutos após a decolagem, o motor da aeronave apresentou falhas em seu funcionamento. Foi efetuado um pouso forçado em área de mata fechada, próximo às margens da rodovia do Peixe. A aeronave ficou destruída. O piloto e os passageiros sofreram lesões fatais", aponta trecho do reporter inicial, que ainda é preliminar.

A ocorrência foi classificada como uma possível falha do motor em voo, o que ainda deverá ser confirmado no relatório final. 

O piloto foi identificado como Narcionizio Jaco da Silva Filho, 57 anos, conhecido como ‘Nena’ (morador de Rondonópolis). As outras vítimas são: Nelson Siton Junior Lándim, 47 anos (Juscimeira); Faustino Garcia Barboza, 49 anos (Itiquira) e José Rodrigues de Souza, 41 anos (Rondonópolis). 

Todos tiveram os corpos carbonizados, mas acabaram sendo reconhecidos por familiares no Instituto Médico Legal (IML). 

Informações iniciais colhidas pela Polícia Civil apontam que todos tinham certo conhecimento em aviação agrícola. 

O proprietário da aeronave era Nelson Siton. Faustino tinha uma empresa de aviação agrícola em Itiquira (MT). Já José era especialista em serviços gerais de aviação e 'Nena' tinha mais de 30 anos de experiência como piloto.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

75.1%
23.6%
1.3%