30/09/2011 às 07h11min - Atualizada em 30/09/2011 às 07h11min

Câmara de Barra usa propaganda para promover vereadores

Olhar Direto
A Semana no Araguaia Ministério Público faz vista grossa ao fato

Três vereadores de Barra do Garças (503 km de Cuiabá) anunciaram que vão procurar o Ministério Público Eleitoral (MPE) para denunciar o uso irregular da propaganda institucional da Câmara Municipal barra-garcense onde estariam sendo discriminados. Os parlamentares Sávio Carvalho (PDT), Odorico Kiko (PT) e Miguelão Moreira (PTB) disseram que não aparecem na propaganda do legislativo e não são convidados a darem entrevista nas rádios e TVs que tem contrato com a Câmara.

O vereador Kiko ressaltou que a propaganda está sendo feita de forma irregular, citando nomes dos vereadores quando deveria ser institucional, destacando as ações da Câmara Municipal. “A lei é bem clara que a propaganda tem que ser institucional. A prefeitura já foi notificada pelo MPE e corrigiu a mídia em parte, pois em alguns comerciais da prefeitura ainda tem imagens de secretários, fato que não pode”, ponderou.

O petista citou o caso recente da Câmara de Nova Xavantina onde o presidente João Carlos Capelari foi multado porque a propaganda que estava sendo tinha cunho pessoal dos vereadores ao invéz de tratar da instituição. Assim, o juiz mandou bloquear as contas e modificar a propaganda.

A bronca dos vereadores de oposição começou porque, segundo eles, a maioria das rádios e TVs onde a Câmara mantém contratos não entrevista eles e os sete vereadores de situação. A oposição tentou obter através de requerimento informações de quanto é gasto pelo legislativo com mídia e quais são as empresas que tem contrato com a Câmara Municipal, porém, o pedido de explicação foi derrotado por 5 votos a 3.

Votaram contra o requerimento os vereadores Paulo Sérgio (PP), João Jajá (PR), Celson Souza (PV), Miriam Lacerda (PTB) e Andréia Santos (PR). A favor do pedido de explicação só os três de oposição Sávio, Kiko e Miguelão. A vereadora Antônia Jacob (PR) não compareceu na sessão e o presidente Júlio César (PSDB) não vota.

Durante a discussão, a bancada de situação evitou dar explicações e se limitou a dizer que enquanto Sávio Carvalho era situação não reclamava desse assunto.

Em números extra-oficiais, o vereador Kiko destacou que duodécimo mensal da Câmara é de R$ 235 mil e a despesa com mídia é de R$ 20 mil. A oposição informou que requerimento será transformado em queixa-crime e irá apresentar para os promotores da 9ª e 47ª zonas eleitorais, Hudson Luis Franco Mendes e Wesley Sanches Lacerda tomarem providência junto aos juizes eleitorais Jeverson Quinteiro e Moacir Rogério Tortato. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.9%
5.1%
20.5%
72.6%