10/06/2021 às 22h52min - Atualizada em 10/06/2021 às 22h52min

Mulher que agrediu servidora da AL tem problemas psicológico; família pede desculpa

Reportagem: Jéssica Bachega / Gazeta Digital 

A mulher acusada de invadir o gabinete do deputado Xuxu Dalmolin (PSC) e agredir uma servidora foi identificada e a família dela entrou em contato com a vítima para pedir desculpas. A suspeita tem problemas psicológicos e essa não foi a primeira vez que ela atacou outras mulheres.

Segundo apurado pelo GD, a suspeita não é auditora do Estado e nem esposa de delegado, como ela se apresentou à vítima. A mulher circula pelos órgãos públicos do Centro Político Administrativo e, às vezes, tem surtos e ataca servidoras.

Um laudo obtido pelo GD, com data de outubro de 2020, atesta que ela precisa de internação por representar risco para si.

O psiquiatra escreve no documento que a paciente “apresenta desorganização de pensamento, comportamento bígamo, ausência de juízo crítico quanto a sua condição”.

Mais adiante, o médico afirma que ela precisa de internação.

A vítima contou que a família da mulher narrou não conseguiu interná-la, nem conter suas atitudes. Pediu desculpas pelo transtorno causado. A servidora não conhece e suspeita e pontua que ela não mencionou traição, como foi apontado preliminarmente.

Abalada, a jovem não trabalhou no dia seguinte ao fato. Entretanto, outras mulheres ligaram no gabinete relatando terem sofrido o mesmo ataque. Um dos casos descreve que ela chegou a perseguir uma promotora de Justiça e que há processo tramitando no MPE.

“Várias mulheres ligaram denunciando a mulher. Algumas se identificaram e outras fizeram denúncia anônima. Disseram que ela sempre está no Centro Político”, relatou a vítima.

As câmeras de segurança registraram a imagem da mulher e a vítima fez boletim de ocorrência na delegacia. A Polícia Civil investiga o caso, mas a suspeita ainda não foi interrogada.

O caso

Na tarde de segunda-feira (7), a mulher invadiu o trabalho da vítima gritando e xingando. Jogou uma chave na trabalhadora e puxou seus cabelos. Após o ataque, ela saiu pelo corredor da Assembleia gritando e chamando atenção dos servidores dos demais gabinetes. A Polícia Militar da Casa foi acionada, mas não conseguiu localizar a agressora.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.1%
4.9%
17.6%
76.5%