03/05/2021 às 19h28min - Atualizada em 03/05/2021 às 19h28min

Mãe é morta com facada no pescoço por não revelar a criminosos onde o filho estava, diz polícia

Segundo delegado, mulher saiu da residência para pedir socorro, mas morreu na porta de casa, em Caldas Novas. Filho dela, de 15 anos, não se feriu. Um dos suspeitos está preso.

G1 GO
Araguaia Notícia
Uma dona de casa de 34 anos morreu após levar uma facada no pescoço dentro de casa, em Caldas Novas, região sul de Goiás. Segundo a Polícia Civil, a mulher foi assassinada por não revelar aonde o filho dela, de 15 anos, estava. Um suspeito foi preso.

O crime aconteceu no domingo (2) no Setor Universitário. Conforme a ocorrência registrada pela Polícia Militar, mãe e filho estavam juntos quando o adolescente notou que dois homens em uma moto se aproximavam da casa onde moravam. Em seguida, o garoto correu sem que a dupla percebesse.

Segundo o documento, os criminosos perguntaram o paradeiro do adolescente para a mãe dele, que se negou a dizer onde o filho estava e foi morta com um golpe de faca no pescoço. Segundo a Polícia Civil, ela saiu da residência para pedir socorro, mas morreu na porta de casa.

O delegado responsável pela investigação do caso, Alex Miller Lima, disse que um homem de 32 anos foi preso suspeito de matar a dona de casa. “Ele nega o crime e disse que estava apenas atrás do filho da vítima. Agora, estamos atrás do segundo envolvido. Vamos ouvi-lo para dar sequência ao caso”, conta Lima.

Segundo o delegado, o filho da vítima não se feriu. Ele estava sendo procurado pela dupla por suposto envolvimento em furtos e roubos. "Ainda não conseguimos saber se o filho realmente cometeu esses crimes apontados pela dupla, só sabemos que na ficha criminal dele tem passagens pelos mesmos crimes", diz.

Os responsáveis pelo assassinato da mulher podem ser indiciados pelo crime de homicídio qualificado. Se condenados, cada um pode pegar de 12 a 30 anos de prisão.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

72.2%
26.2%
1.7%