09/04/2021 às 09h44min - Atualizada em 09/04/2021 às 09h44min

Projeto Fazenda Segura de Barra do Garças é destaque em revista nacional

Esse projeto foi criado na RISP da região e começa a ser copiado em outros estados da federação

Ariosto Mesquita / DBO
ARAGUAIA NOTÍCIA
Crime rural, sobretudo o abigeato (furto de gado) não é novidade no Brasil, mas a recente escalada de valorização da arroba parece ter enchido os olhos dos malfeitores. Nos últimos meses ficou nítido o recrudescimento de relatos pelo País, alguns dignos de compor roteiros de filmes policiais. Na madrugada do dia 5 de fevereiro, em Vila Rica (MT), 10 homens armados invadiram uma fazenda, renderam e mantiveram em cárcere privado toda a equipe da propriedade até às 8 horas do dia seguinte.

Nesse tempo, os invasores conseguiram embarcar 115 animais em cinco caminhões boiadeiros mobilizados especialmente para a operação. Na manhã do dia 6, contudo, uma equipe da Força Tática da Polícia Civil interceptou o comboio em uma rodovia, rumo ao Pará. A carga (avaliada em R$ 1 milhão) foi recuperada e cinco homens imediatamente detidos. Os criminosos, porém, não estão de olho apenas no rebanho. Em 12 de fevereiro, 20 toneladas de sementes forrageiras e 3 t de suplementos do Grupo Gasparim, de Presidente Bernardes (SP), foram roubadas enquanto eram transportadas para distribuição em Mato Grosso.

De acordo com Mariana Gasparim, representante da empresa, o motorista foi sequestrado e libertado somente quatro dias depois, em 16 de fevereiro. “Registramos o boletim de ocorrência em Cuiabá e também conseguimos, no dia 18, recuperar o caminhão, porém sem a carga avaliada em aproximadamente R$ 230.000”, contou à DBO. É difícil fazer frente a esses crimes, mas uma iniciativa promissora surgiu no próprio Mato Grosso.

Em 2018, representantes da Associação dos Criadores de MT (Acrimat), sindicatos rurais, produtores e polícia civil de municípios do Médio Araguaia implantaram o Projeto Fazenda Segura. “Essta mobilização permitiu reduzir em 90% os crimes rurais, principalmente o abate aberto, no pasto das fazendas, e o roubo embarcado”, garante o delegado Wilyney Santana Borges, titular da Delegacia Regional da Polícia Judiciária Civil de Barra do Garças, MT.

Fazenda Segura em rede Segundo ele, o projeto pressupõe orientações diretas às equipes nas propriedades, patrulhamento rural e integração de todos os envolvidos em um grupo dentro de uma rede social. “Hoje temos perto de 300 participantes, a maioria absoluta de produtores rurais. Graças a esse trabalho, qualquer movimentação suspeita é rapidamente comunicada, o que permite a redução do nosso tempo de resposta”, explica o delegado.

Por não ser apenas uma iniciativa reativa, o Fazenda Segura permitiu, na visão do delegado Borges, inibir a ação criminal no campo. “Neste aspecto, é muito importante que os produtores tomem atitudes preventivas, como manter as porteiras sempre fechadas e nunca deixar a fazenda sozinha, sem pelo menos uma equipe de confiança. São medidas que podem ser adotadas em todas as propriedades, em qualquer lugar do Brasil”, avisa.

Além de Barra do Garças, o Fazenda Segura atende comunidades de mais seis municípios do Médio Araguaia Mato-grossense: Torixoréu, General Carneiro, Pontal do Araguaia, Ribeirãozinho, Araguaiana e Novo São Joaquim.

O diretor técnico da Acrimat, Francisco de Sales Manzi, admite que a criminalidade rural “está se agravando” de forma geral e lista algumas ações que podem trazer mais segurança no campo: “É importante oferecer acesso à Internet na propriedade e integrar os colaboradores, proprietários e gestores em um grupo de rede social. Também é fundamental que os produtores vizinhos troquem informações sobre seus hábitos ou regras, como, por exemplo, nunca transitar com caminhões em um determinado período do dia. Assim, qualquer movimentação fora do padrão pode ser rapidamente identificada e denunciada”. 








Notícias Relacionadas »
Comentários »