31/03/2021 às 19h44min - Atualizada em 31/03/2021 às 19h44min

Operação Castelo de Areia prende acusados de matarem casal de namorados em Barra do Garças

Araguaia Notícia
Casal foi assassinado porque estava descontente com facção
A Polícia Civil concluiu na quarta-feira (31/3) a operação Castelo de Areia com a prisão de envolvidos na morte de um casal de namorados na cidade de Barra do Garças-MT, cujo crime teria acontecido no dia 9 de fevereiro deste ano, mas os corpos foram encontrados já em decomposição, seis dias depois, num matagal perto de um sítio no km 24 da Br 070. As vítimas Marília Eduarda, de 19 anos, e Marcos Melo, de 20 anos, que foram assassinados com vários tiros na estrada que dá acesso ao distrito da Voadeira e os corpos foram levados então para o local de 'desova'.

Foi preso MS, de 21 anos, e apreendidos uma adolescente de 15 anos e AE, de 17 anos, que confessou ser o autor dos disparos que ceifaram a vida do casal. Aliás, este infrator foi considerado frio e perigoso pelos delegados que acompanharam a investigação. A polícia também identificou mais dois envolvidos que entrariam por ocultação de cadaveres. 

A Operação Castelo de Areia teve início com a investigação da 2ª DP de Barra do Garças, no bairro São José, comandada pelo delegado Antônio Moura, e a apreensão dos menores foi realizada pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf), coordenada pelo delegado Joaquim Leitão. E a motivação do crime é que as vítimas Marcos, que era ‘tornozelado’, e a namorada Marília, teriam trocado de organização criminosa, todavia estariam descontentes com a facção de Barra do Garças e por isso foram ‘jurados’ de morte.
 
Tanto é, que segundo a polícia, as mensagens no facebook anunciando o velório das vítimas antes mesmo do ocorrido, teriam sido postadas pelo próprio casal na expectativa de escapar da morte. Só que a facção armou pra eles. Primeiramente chamou Marília dizendo que ela participaria junto com eles de um ‘salve’ (execução ou castigo para rivais), porém ela foi atraída para um lugar em Barra do Garças onde foi assassinada. Depois fizeram o mesmo com Marcos.

Os corpos foram levados num veículo de onde aconteceu a execução até o matagal perto de um sítio no km 24 da Br 070 e lá foram ‘desovados’. A polícia não sabe e ainda apura se as vítimas foram torturadas antes de morrer. O rapaz que assumiu a autoria disse nos depoimentos que não. Ele alega que chegou atirando e ceifando a vida das vítimas rapidamente.
  
Durante depoimentos, portanto o menor AE assumiu a autoria dos disparos com frieza e calculismo que chamou atenção dos delegados Moura e Leitão envolvidos na investigação. “Esse rapaz nos surpreendeu pela sua calma em relatar os crimes. Realmente um garoto perigoso”, completou Leitão.
As vítimas

Marcos, que era bastante conhecido da polícia em Primavera do Leste-MT, sendo que o mesmo usava tornozeleira, porém estava rompida. E Marília cujo último contato com a família aconteceu no dia 9/2. Na época, os corpos forma encontrados no dia 15/2 e pai de Marília disse que não tinha ideia de quem teria feito isso com eles.
 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.4%