06/10/2011 às 15h07min - Atualizada em 06/10/2011 às 15h07min

Sem diárias, caos aumenta nas pontes Garças e Araguaia

Olhar Direto
A Semana no Araguaia

Só aumenta o caos para atravessar as pontes Garças e Araguaia, em Barra do Garças, na divisa de Mato Grosso e Goiás, com filas enormes dos dois lados e o que é pior, sem solução. Sem um controle específico as carretas continuam congestionando o centro da cidade fechando até mesmo as avenidas, além de trancarem o trânsito próximo as pontes.

O comando da Polícia Militar alega que não tem efetivo e aguarda a liberação de jornada-extra (diárias) por parte da Secretaria de Fazenda (Sefaz) já que o motivo do congestionamento é o posto fiscal na divisa entre os estados. Os recursos são para contratar a folga dos PMs para auxiliarem no controle das carretas. Essa é a única saída no momento para devolver a paz e tranqüilidade ao trânsito de Barra e diminuir o stress para atravessar as pontes.

Em 2009 houve uma intervenção do Ministério Público Estadual (MPE) junto às prefeituras que criaram o sistema de ‘segurar’ as carretas na entrada de Barra do Garças e Aragarças-GO e ir soltando de 10 em 10 para justamente evitar o congestionamento. O controle funcionou perfeitamente durante dois anos, porém, desde que Silval Barbosa assumiu o governo a jornada-extra dos PMs foi suspensa e o controle acabou.

O comandante da PM, Valdemir Barbosa, alega que um novo pedido foi feito está sendo avaliado pela Secretaria de Fazenda (Sefaz) para retomar o controle das carretas na entrada das cidades.

Cerca de mil carretas passam por dia pelo centro de Barra do Garças estrangulando o trânsito local. A saída definitiva é a construção do anel viário (contorno) avaliado em R$ 80 milhões que foi retirado do PAC 1 e 2 para Mato Grosso prejudicando a região. Enquanto isso a população continua sofrendo com o caos nas pontes. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.3%
4.7%
16.8%
77.2%