24/03/2021 às 09h35min - Atualizada em 24/03/2021 às 09h35min

Morre de infarto, a escritora e professora Adalgisa Lima aos 84 anos

Araguaia Notícia
Faleceu essa madrugada de quarta-feira (24/3) a professora, escritora e poetisa Adalgisa Lima Silva, de 84 anos, vítima de infarto. Uma escritora de mão cheia e apaixonada por desafios, que veio de Goiás e adotou o Rio Araguaia como fonte de inspiração para diversas publicações. Adalgisa, mãe de 5 filhos, entre eles, o ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal de Barra do Garças, Waldemar Barbosa Filho; José Ângelo Lima Silva, Zalda Helena Lima Silva, Márcia Helena Lima Silva, Miriam Moema Lima Silva,

Adalgisa Lima também atuou como pesquisadora sociocultural em Goiás e por 15 anos estudou o comportamento de jovens vitimizados pelo tóxico. Autora do livro DEPOIS DO MERGULHO e que concluiu uma trilogia com outros dois livros: VIM PARA TE FALAR e DAS COISAS QUE VIVI e que ainda publicou um CD narrativo com textos literários sobre a carência jovem: Venho Para Te Falar; Poema Final; Oração do Anjo Perdido; Hora Maior, Monossílabo, Profecia, Recado de Quintal.

Mais informações biográficas de Adalgisa; “Ela era uma dessas mulheres notáveis de Goiás: dinâmica, firme, disposta, uma liderança em eventos culturais quando residiu na cidade de Piracanjuba onde a conheci. Depois Adalgisa se mudou para Barra do Garças no Mato Grosso. E para quem esperava que acabaria ali o seu fôlego cultural, se enganou. Mesmo com 400 km que separa Goiânia da cidade mato-grossense, ela continuou lutando pela cultura e trouxe a Barra do Garças vários escritores e artistas goianos em eventos culturais e inesquecíveis, onde quer que esteja Adalgisa, a Cultura Goiana está presente. Mulher sensível de enorme vivência interior sempre preocupada com os problemas sociais, principalmente as crianças marginalizadas e envolvidas nos vícios que as sucumbem arrastam aos porões do abandono. Os contos de Adalgisa têm um poder de persuasão, de trazer mensagens de amor ensina o caminho de paz uma linguagem simples, correta”, destaca o escritor José Mendonça Teles num prefácio de um livro da poetisa.

Após se aposentar com 25 anos de sala de aula, Adalgisa lançou DEPOIS DO MERGULHO. Ela destacou que perdeu as contas de quantas bibliotecas ajudou a montar nas escolas de Goiás e que continuaria a defender a cultura enquanto tivesse saúde, disse a escritora numa reportagem ao jornal Gazeta Vale do Araguaia, do jornalista veterano e respeitado Paulo Batista.

Adalgisa Lima diz para Gazeta do Paulo Batista “Eu tenho formação acadêmica, mas na realidade eu aprendi mesmo foi com a vida com a arte pelos caminhos que sempre estão a promover os nossos encontros. E participei do Grupo de Escritores Novos de Goiás e me tornei amiga de muitos de seus remanescentes. Além dessa vaidade, fui membro do grupo Setembro da Poesia onde convivi e aprendi com Ubirajara Gali, Goiamérico e com saudoso Pio Vargas entre outros importantes expoentes da nova poesia goiana.

Fiquem agora com uma poesia de Adalgisa "Quando adentrei o mundo dos solitários; eu sabia tão pouco como você; foi necessário mergulhar entranhas, sonhos e desencontros para depois retornar ao caminho da esperança." Adalgisa Lima

O corpo da escritora está sendo velado na Casa de Velório de Aragarças-GO e seguirá por volta das 15 horas em cortejo para sepultamento na cidade de Araguaiana-MT onde tem irmãos de Adalgisa já sepultados naquela cidade.
Descanse em paz, Adalgisa. Suas poesias e livros servirão de recordações e ensinamentos para muitos.


 
 
 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.3%
1.4%