09/03/2021 às 11h15min - Atualizada em 15/03/2021 às 00h00min

Especialista reforça a importância da saúde alimentar na pandemia

Dra. Carolina Beckman dá dicas sobre o que priorizar na alimentação no combate ao coronavírus

SALA DA NOTÍCIA Patricia Nascimento

Se tem um ponto positivo na pandemia, ele está atrelado à mudança de hábito. Isso porque a necessidade do isolamento social tem propiciado um aumento no consumo de ingredientes mais frescos e comidas menos industrializadas. Segundo o Estudo NutriNet Brasil (realizado pelo Nupens/USP), a frequência no consumo de frutas, hortaliças e feijão durante este período subiu de 40,2% para 44,6%.

Sabe-se que o consumo de alimentos in natura e/ou minimamente processados fortalece os mecanismos de defesa do organismo. Os alimentos ultraprocessados, porém, favorecem o aparecimento de comorbidades que aumentam a letalidade da Covid-19. Por isso, e com o cenário ainda incerto, fica mais significativo manter uma alimentação balanceada e rica em vitaminas, sais minerais, gorduras e probióticos na quarentena.

“O ideal é consumir alimentos variados para absorver mais vitamina e de diferentes tipos. Mas uma das funções da vitamina A, por exemplo, é manter a integridade do trato respiratório. A vitamina C possibilita um aumento no número de anticorpos e atua na diferenciação e proliferação de células do sistema imunológico. E a vitamina D, que atua no funcionamento dos órgãos e tecidos, tem um papel importante na redução dos fatores de infecção viral, tendo em vista sua capacidade de diminuir a inflamação causada por microorganismos como o coronavírus nos pulmões”, explica a Dra. Carolina Beckman, médica, cirurgiã geral e bariátrica pela Universidade Estadual do Pará, pós-graduada em cirurgia videolaparoscópica pelo Hospital Sírio Libanês e em nutrologia pela Universidade Veiga de Almeida.

A médica reforça que ainda não existem estudos científicos comprovando a cura da Covid-19 por meio da ingestão de nutrientes e/ou medicamentos específicos, mas que a saúde alimentar pode preparar o corpo de forma melhor para o enfrentamento da doença nos casos de diagnóstico positivo, o que vem sendo amplamente incentivado também pelos órgãos de saúde, especialmente para as pessoas que formam os grupos de risco.

“O estado nutricional é um fator importante para o bom funcionamento do sistema imunológico e para a proteção contra infecções virais. Durante a pandemia, foi observado que comorbidades como a obesidade, o diabetes e a hipertensão, por exemplo, acarretam em piora no quadro de COVID-19, cuja frequência de pacientes dentro deste cenário foi classificada como alta nas internações em terapia intensiva”, completa a Dra. Beckman.

Com o preço da cesta básica em alta em todas as capitais, de acordo com dados da Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos realizada pelo Dieese, e o poder de compra em baixa devido ao valor do salário mínimo, a compra consciente deve ser prioridade no dia a dia dos brasileiros, inclusive quando realizada por delivery

“Você não precisa comprar tudo de uma vez, até porque alimentos frescos têm durabilidade menor. Então a dica é pesquisar as ofertas e focar nos grupos de vitaminas, sais minerais, gorduras e probióticos para que as compras no supermercado, feira ou aplicativo sejam melhor aproveitadas. E entender que embora o ‘estar em casa’ represente o home office, tirar alguns momentos do dia para se dedicar ao preparo do alimento pode propiciar também uma relação melhor com a comida”, finaliza a médica.

 

Sobre a Dra. Carolina Beckman

Cirurgiã geral, cirurgiã bariátrica e nutróloga pós-graduada pelo Hospital Sírio Libanês, é professora na Universidade Estadual do Pará e empreendedora com propósito de impacto social. Tem como missão democratizar e expandir o acesso a informações de saúde, reforçando a importância da orientação e do acompanhamento de um profissional para adquirir e manter uma rotina alimentar saudável sem dietas restritivas e chás milagrosos, principalmente em tempos em que os corpos precisam ser preparados da melhor forma para combater infecções e em que o acompanhamento com especialista é ainda mais essencial.


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.3%
24.4%
1.4%