11/03/2021 às 12h11min - Atualizada em 13/03/2021 às 23h50min

Rainha da Em Cima da Hora  faz aulas de tamborim 

Tania Daley é a primeira latina a desfilar à frente de uma bateria de escola de samba

SALA DA NOTÍCIA JOICE HURTADO RODRIGUES
Divulgação
 
As notícias da chegada da vacina ao Brasil já no início de 2021 animaram não somente os brasileiros, mas quem espera ansiosamente e a quilômetros de distância, o controle da pandemia da COVID19 e a realização dos desfiles das escolas de samba no próximo ano.
Apaixonada pela festa, Tania Daley – rainha de bateria da Em Cima da Hora, está contando as horas para poder viajar ao Brasil e sentir de perto o calor da bateria dos mestres Atila e Wando.  Estreante no posto, a campeã internacional de salsa, vem se preparando intensamente para realizar o sonho que alimenta desde criança. Nicaraguense de nascimento e radicada nos Estados Unidos há mais de duas décadas, Tania estreou no Carnaval carioca em 2020, desfilando na Viradouro e também como rainha da Acadêmicos de Vigário Geral. O samba no pé e malemolência, mescladas à latinidade, renderam-lhe o convite da escola estreante na Série A para que a professora de dança reinasse à frente dos ritmistas.
“Realmente estou vivendo um momento de muita ansiedade, mas estou fazendo tudo como se estivesse me preparando para uma competição de salsa. Muito treino e dieta, além do pensamento positivo de que a vacina chegará logo e possamos ter o Carnaval que é muito mais do que uma festa, é um traço muito importante da cultura brasileira”, comenta a rainha.
Para arrasar na Sapucaí, Tania resolveu colocar em prática a vontade de aprender a tocar  instrumentos e, inspirada na rainha Viviane Araújo, escolheu o tamborim para iniciar o projeto. A majestade dos ritmistas da Sintonia de Cavalcante convocou mestre Thiago Diogo (ex-Grande Rio), para o desafio e, segundo o professor, a bela leva jeito.
“Tania tem muita disciplina e um ouvido muito apurado. Já na primeira aula me surpreendeu”, diz o mestre que, atualmente, viaja o Brasil dando workshops de percussão.  A rainha, por outro lado, não mede elogios ao professor.
“Thiago tem muita paciência comigo e não descansa enquanto eu não acerto a bossa. Nossas aulas acontecem online, mas eu já decidi que continuarei fazendo depois que tudo se normalizar. Também quero aprender a tocar repique e cuíca”, conta Tania que ainda não sabe quando poderá vir ao Brasil por conta das restrições de voo impostas pelos Estados Unidos a outros países .
 
 
 
 

 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.5%
1.4%