30/01/2021 às 12h01min - Atualizada em 30/01/2021 às 12h01min

Nova geração de fazendeiros que respeitam Meio Ambiente é destaque na Revista Veja

A jovem fazendeira Carmen Perez, de Barra do Garças, aparece na reportagem falando sobre mudanças na pecuária

Araguaia Notícia
produtora Carmen Perez, da fazenda Orvalho das Flores, na região de Barra do Garças


A edição desta semana da revista Veja trouxe em sua capa reportagem que trata da “nova geração de fazendeiros” no Brasil, que além de consolidar o agronegócio do País como um dos mais prósperos e bem-sucedidos no mundo, vem demonstrando compromisso cada vez maior com o meio ambiente.

Parceira do projeto, a produtora Carmen Perez, da fazenda Orvalho das Flores, na região de Barra do Garças (515 quilômetros de Cuiabá), afirmou que as ações podem parecer modestas, “mas afeitas a gerar grandes resultados no bem-estar do gado”. 


A reportagem destacou a adoção de práticas sustentáveis em propriedades de Mato Grosso e enfatizou que, apesar da imagem equivocada que em determinados momentos é atribuída à produção agrícola nacional, “há uma maioria esmagadora de fazendeiros brasileiros que não apenas incorpora medidas de redução de danos ambientais como desempenha papel vital para a preservação da biodiversidade brasileira”. 

Chamados de “fazendeiros verdes”, os produtores Romeu e Dulce Ciochetta, que mantém uma fazenda de 9.500 hectares em Campo Novo do Parecis (400 quilômetros de Cuiabá), foram alguns dos entrevistados. 

Eles colecionam prêmios na área ambiental e são referência em sustentabilidade por integrar a produção de grãos como soja e milho a estratégias que ajudam a proteger os recursos naturais.

A Veja também foi a campo conhecer a Fazenda Roncador, sediada em Querência (927 quilômetros de Cuiabá), que possui uma área equivalente à da cidade de São Paulo e que mantém cerca de 50% de seu território destinados a mata nativa e áreas de proteção permanente (APPs).

O Programa Rebanho, que consiste em promover a pecuária sustentável na região do Médio Vale do Araguaia de Mato Grosso, também foi destaque da matéria. 

A marcação com ferro em brasa, por exemplo, foi substituída por brincos identicadores. “Isso impacta diretamente na qualidade vida do animal”, explicou.

Fonte: Érika Oliveira / Secom-MT


Confira aqui a reportagem na íntegra
Notícias Relacionadas »
Comentários »