27/12/2020 às 11h26min - Atualizada em 27/12/2020 às 11h26min

Gaeco realizou 2ª fase da operação Rota Final em Barra do Garças



A segunda fase da operação “Rota Final” foi realizada dia 16/12 pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), em conjunto com o Núcleo de Ações de Competência Originárias (Naco), do Ministério Público do Estado (MP-MT). Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Cuiabá e em Barra do Garças (516 quilômetros, ao oeste da Capital).

Na capital, de acordo as informações preliminares, houve o cumprimento de diligências nos condomínios Alphaville I e Reserva Rio Cuiabá. Já em Barra do Garças foram apreendidos documentos da Viação Xavante. A “Rota Final” apura irregularidades no transporte público intermunicipal de passageiros no Estado, além do lobby das empresas de ônibus em “sabotar” o edital de concessão do serviço, a maior parte das viações que operam no Estado prestam o serviço por meio de contratos precários (sem licitação).

Contudo, a operação encontra-se sob sigilo. Os nomes dos alvos das diligências ocorridas ontem não foram divulgados oficialmente.

A primeira fase da operação “Rota Final” teve como foco o edital que prevê as outorgas do transporte público intermunicipal de passageiros e foi deflagrada pela Delegacia Especializada em Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz-MT), em abril de 2018. Na ocasião, as investigações apontavam que empresários do ramo do transporte, deputados estaduais e “funcionários públicos” da Secretaria de Infraestrutura (Sinfra-MT) e da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados (Ager), vinham “envidando esforços com o fim de desfazer licitação em andamento e providenciar outra, atendendo aos interesses próprios”.

Também havia “fortes indícios” da existência de uma “organização criminosa” que tinha o interesse de manter a precariedade do serviço atual de transporte público intermunicipal - que opera sem licitação -, com o propósito da “manutenção do total controle na execução de contratos precários de concessão do serviço público do transporte intermunicipal de passageiros”. O edital investigado na operação “Rota Final” é divido em dois lotes, cada um com “8 mercados”, que representam todas as regiões de Mato Grosso. No total, os contratos somariam R$ 11,25 bilhões.

Fonte: Diário de Cuiabá com informações do MP-MT

Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.7%
75.2%