01/12/2020 às 13h17min - Atualizada em 01/12/2020 às 13h17min

Mauro Mendes autoriza retomada de obras do Hospital Universitário Júlio Muller para salvar mais vidas em MT

Secom - MT
Lucas Rodrigues
Foto: Mayke Toscano/ Secom-MT

O governador Mauro Mendes afirmou que milhares de mato-grossenses e pessoas de outros estados terão suas vidas salvas no Hospital Universitário Júlio Muller, cujas obras foram autorizadas a retomar na terça-feira (01.12). 

 

O contrato e a ordem de serviço foram assinados em evento realizado no local da unidade de saúde, no km 16 da MT-040, entre Cuiabá e Santo Antônio de Leverger. A obra, que seria entregue na Copa do Mundo de 2014, está parada há sete anos. 

 

“Milhares de mato-grossenses e pessoas de outros estados terão suas vidas salvas aqui neste hospital. Hoje é um momento em que podemos virar essa página de obras paralisadas. Sete anos de uma obra que paralisou, deteriorou, e envergonhou a todos nós, mas que agora está sendo retomada por essa gestão”, relatou o governador. 

 

Mauro Mendes destacou que o hospital terá 58 mil m² de área construída e, assim, será o maior hospital público de Mato Grosso e uma das principais obras previstas no programa Mais MT. O prazo previsto para a construção do hospital é de 24 meses. Após a entrega, a gestão da unidade ficará sob a responsabilidade da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

 

Serão investidos R$ 207 milhões para a retomada e conclusão do hospital, sendo metade do valor com recursos federais e a outra metade bancada pelo Governo de Mato Grosso. Tanto os recursos federais quanto os estaduais já estão garantidos. 

 

“Metade desse recurso vem do Governo Federal e está parado na conta desde 2013. O dinheiro é imprescindível. Mas é preciso correr atrás, vencer a burocracia, colocar a obra em marcha e entregar para a população, que é o que estamos fazendo”, pontuou. 

 

Ao todo o Hospital Júlio Muller contará com 228 leitos de internação, 68 leitos de repouso e 63 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), sendo 25 para adultos, 18 voltados a atender crianças (pediátrico) e 20 para recém-nascidos (neonatal).  Além disso, a unidade de saúde contará ainda com 12 centros cirúrgicos, 85 consultórios, 45 salas de exame, 21 salas para banco de sangue e triagem e outras 53 salas administrativas. 

 

O governador lembrou que essa é a segunda grande obra de um hospital público em Mato Grosso que a atual gestão retomou em menos de 1 mês. 

 

“Há poucos dias retomamos a obra do Hospital Central. Um hospital público parado há 34 anos que estava a 1000 metros do Palácio e de todos os Poderes e instituições. Não pode um estado que se diz tão rico ter essas coisas que envergonham a todos nós”, registrou. 

 

Além dos hospitais Júlio Muller e Central, o Governo de Mato Grosso também construirá três novos hospitais regionais dentro do eixo de Saúde do programa Mais MT. 

 

“Teremos um hospital regional no Araguaia, um regional em Juína e outro em Tangará da Serra, para atender a essas regiões. Com isso, vamos preencher os chamados vazios assistenciais da saúde de média e alta complexidade no Estado de Mato Grosso”, citou. 
 

Também comparecem no evento o senador Wellington Fagundes; o deputado federal Dr. Leonardo; o reitor da UFMT, Evandro Soares; a vice-reitora da UFMT, Lunardi; o presidente do Tribunal de Contas do Estado, conselheiro Guilherme Maluf; os deputados estaduais Allan Kardec e Wilson Santos; os secretários de Estado Mauro Carvalho (Casa Civil), Marcelo Oliveira (Infraestrutura e Logística), César Miranda (Desenvolvimento Econômico) e Jordan Espíndola (Gabinete de Governo); o presidente do AgerNespolo; o comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Alessandro Borges; a diretora da Faculdade de Medicina da UFMT, Bianca <span class="SpellingError SCXW133176191 BCX0" style="margin: 0px; padding: 0px; user-select: text; -webkit-user-drag: none; -webkit-tap-highlight-color: transparent; background-repeat: repeat-x; background-position: left bottom; background-image: url(" data:image="" gif;base64,r0lgodlhbqaeajecap="" 8aaaaaaaaaach5baeaaaialaaaaaafaaqaaaiilgaxcchrtcgaow="=&quot;);" border-bottom:="" 1px="" solid="" transparent;="" background-color:="" inherit;"="">Borsatto Galera; e a superintendente do hospital, Elisabeth Mendonça. 
 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.6%
5.5%
17.7%
75.2%