23/10/2020 às 09h01min - Atualizada em 23/10/2020 às 09h01min

Homem que estuprou e matou idosa é condenado a 26 anos de prisão

Arianne Lopes – Centro de Comunicação Social do TJGO)
Centro de Comunicação Social do TJGO
Em uma sessão nesta quinta-feira (22), presidida pelo Juiz Jesseir Coelho de Alcântara, da 3ª Vara dos Crimes Dolosos Contra a Vida e Tribunal do Júri de Goiânia, Péricles Teodoro da Silva, acusado de estuprar e matar a pauladas uma idosa, foi condenado a 26 anos de prisão. Destes, 18 anos pelo crime de homicídio e oito por estupro. Apesar de não ter comparecido em seu próprio julgamento, o júri ocorreu normalmente.

De acordo com o magistrado, a Defensoria Pública acatou o pedido de Perícles da Silva em não comparecer no julgamento. “No Júri Popular, a defesa é plena e se ela entender que a ausência do réu é benéfica nada impede que o ato seja concretizado. Foi o que aconteceu aqui”, explicou o juiz.

Durante o julgamento, o Conselho de Sentença, formado por três mulheres e quatro homens assistiram a um vídeo com o interrogatório dele na 1ª Vara Criminal de Goiânia, quando o processo era só estupro. Após a instrução processual, foi constatado que além de estupro, houve o homicídio, razão pela qual Péricles foi julgado na Vara de Crimes Dolosos contra a Vida.

Os jurados não acataram a tese de redução de pena predita para semi-imputabilidade, sustentada pela defesa, e reconheceram que o crime foi praticado por motivo torpe e com uso de recurso que dificultou a defesa da vítima. Além disso, eles reconheceram a materialidade do crime de estupro.

Ouvida como informante

Emilly Gonçalves Rodrigues Oliveira foi ouvida como informante, pois ela é filha da vítima. Ao falar como ficou sabendo que a mãe estava morta, ela chorou muito. “Cheguei na delegacia e vi um policial, ele me mostrou o celular da minha mãe e eu comecei a chorar dizendo que nunca havia visto aquele homem na minha vida”, contou.

Ela lembrou como era a rotina da vítima que morava com as duas filhas. “Morava ela, eu, minha irmã e meu filho. Eu a levava para trabalhar porque ela tinha dificuldade de andar. Ela estava doente e minha irmã a ajudava varrer a praça porque não estava mais dando conta”, afirmou. A filha disse ainda que a mãe tinha acabado de completar 60 anos e que estava esperando para se aposentar.

 O crime

Segundo a denúncia, o crime aconteceu no dia 17 de dezembro de 2018, no Parque Anhanguera, enquanto a idosa trabalhava. Consta que, no dia do crime, o réu tentava furtar um veículo, quando, na oportunidade, coincidentemente a vítima passava caminhando pelo local e notou a conduta suspeita de Péricles, e sua tornozeleira eletrônica. Em seguida, repreendeu a um motorista que estava parado, verificando os pneus do carro, sobre a conduta suspeita do réu.

Aborrecido com a vítima que atrapalhou os seus planos de furto, Péricles a seguiu e conduziu Ilma, para uma área de vegetação e abusou sexualmente da vítima. Em seguida, desferiu vários golpes usando um pedaço de madeira, matando-a.
 
 


 
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.9%
4.5%
19.5%
74.2%