09/10/2020 às 21h21min - Atualizada em 09/10/2020 às 21h21min

Juíza nega liberdade a homem que matou engenheira com tiro na nuca em briga de trânsito

Olhar Direto
ARAGUAIA NOTÍCIA
A juíza Emanuelle Chiaradia Navarro, da 1ª Vara Criminal de Sorriso (a 420 km de Cuiabá), manteve a prisão de Jackson Furlan, de 29 anos, acusado de matar a engenheira agrônoma Júlia Barbosa de Souza, 28 anos, no dia 9 de novembro de 2019, com um tiro na nuca, quando ela estava dentro da caminhonete do namorado, em Sorriso. Ele já foi pronunciado pelo homicídio.

O Ministério Público de Mato Grosso propôs uma ação penal contra Jackson Furlan, o denunciando pelo homicídio de Júlia Barbosa de Souza, com as qualificadoras de motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima, e pela tentativa de homicídio de V.G.B.F., namorado de Júlia.
 
Após encerrada a instrução processual, as partes apresentaram alegações finais, tendo a Justiça, em 17 de agosto de 2020, pronunciado o réu apenas pelo homicídio de Julia Barbosa de Souza.
 
O Ministério Público recorreu contra esta decisão e assim foram abertas vistas às partes para apresentação das razões e contrarrazões recursais. A juíza, porém, não alterou sua decisão.
 
A defesa de Jackson então entrou com pedido de reapreciação da prisão preventiva decretada, argumentando que, com a apresentação do recurso do MP, o andamento do processo foi retardado, gerando excesso de prazo apto a gerar constrangimento ilegal, o que justificaria a revogação da prisão cautelar.
 
A magistrada, no entanto, argumentou que os fatos que fundamentaram a decretação da prisão permanecem inalterados e há prova da existência do crime e os indícios de autoria são veementes.
 
“Na mesma linha segue o perigo gerado pelo estado de liberdade do acusado, demonstrado a partir do ‘modus operandi’ utilizado, visto que o réu, em tese, perseguiu a vítima pela cidade, atirando contra o veículo dela na altura da cabeça dos ocupantes, em plena via pública, havendo indícios de ser pessoa agressiva, persistindo a necessidade de garantia da ordem pública evitando-se, assim, que se coloquem em risco novos bens jurídicos, bem como para garantir a aplicação da lei penal”, disse.

A juíza ainda disse que o prazo da prisão está justificado devido à complexidade do processo, “tendo seu trâmite regular, já tendo sido proferida decisão de pronúncia, não havendo falar em excesso desarrazoado”. Com base nisso o pedido da defesa foi indeferido.
 
O caso
 
Segundo a Polícia Civil, Júlia e o namorado saíram de uma conveniência, na Avenida Natalino João Brescansin, por volta da 01h40 da manhã do dia 9. Eles passaram a ser perseguidos depois de ultrapassarem um desconhecido, Jackson Furlan, em uma caminhonete branca. O motorista buzinava o tempo todo para que o namorado de Júlia parasse.
 
 Entretanto, o casal seguiu, quando na Avenida Brasil, perto do Hospital 13 de Maio, o suspeito deu um tiro que acertou a nuca da vítima. Júlia foi levada para o hospital, porém não resistiu aos ferimentos e foi a óbito. Após efetuar o disparo, o suspeito fugiu no sentido à rodovia MT-242. Ele foi preso horas depois.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

0.9%
3.6%
11.8%
83.6%