15/09/2020 às 21h03min - Atualizada em 15/09/2020 às 21h03min

Descontrolado, incêndio do Pantanal avança para Bolívia e prefeito afirma que só chuva apagará fogo

Olhar Direto
ARAGUAIA NOTÍCIA
A região de Cáceres é mais uma de Mato Grosso a sofrer de forma bastante forte com as queimadas que devastam a região do Pantanal. O incêndio, que está descontrolado, dificilmente será apagado pelas equipes que atuam no combate, segundo o prefeito de Cáceres, Francis Maris Cruz. As chamas avançaram para a Bolívia e também já começaram a devastar território do país vizinho, que pediu ajuda às autoridades brasileiras.
 
“Está queimando tudo. O fogo chegou na Bolívia. Eu me reuni nesta semana com o prefeito de San Matías e ele chegou a nos pedir caminhões pipa e equipamentos. Porém, estamos tentando controlar nossos focos também. Será praticamente impossível acabar com estes focos. Faz mais de 120 dias que não chove, está tudo muito seco”, disse Francis ao Olhar Direto.
 
Os caminhões pipa da cidade estão auxiliando no combate ao incêndio que atinge a reserva do Taiamã. O local é de difícil acesso e a água está sendo jogada de forma aérea na área. A estimativa da prefeitura é que, somente no território de Cáceres, dez mil quilômetros quadrados tenham sido queimados.
 
“Está fora de controle. Estávamos com o fogo na margem direita do Rio Paraguai. Deu o vento, jogou para a outra margem do rio. Está descontrolado. Tenho uma propriedade no Pantanal, estava lá com diversas pessoas, bombeiros, tratores, fizemos aceiros, mas dali a pouco dava um vento e jogava o fogo para frente. Perdi mais de cinco mil hectares na minha propriedade. Não consegue apagar. O vento joga a faísca lá na frente. Somente com a chuva para apagar isto”, disse o prefeito.

A falta de chuva também praticamente secou a Baía de Cáceres, que pode secar completamente em uma semana. Segundo o prefeito, o local conta hoje apena com um fio de água. “Para se ter uma ideia, é neste local que acontece a largada do nosso festival, hoje, não consegue nem passar com barco a remo”. Apesar disto, não há, por enquanto, risco de desabastecimento.

Decreto

O Governo do Estado vai decretar, ainda nesta segunda-feira (14.09), estado de calamidade por conta dos incêndios florestais. A medida permite dobrar a estrutura para a prevenção, combate e autuação dos incêndios florestais em Mato Grosso, especialmente na região pantaneira.

Mendes ressaltou que o Governo do Estado templanejado e atuado nessa frente desde março, sendo que hoje há em torno de 2500 profissionais envolvidos no combate, “das forças de Segurança, da Defesa Civil, dos Bombeiros, voluntários e até no Exército Brasileiro”. Além disso, mais de R$ 22 milhões, de recursos próprios, já foram investidos para o combate às queimadas neste ano.

De acordo com o governador, as circunstâncias climáticas têm colaborado para que os incêndios tenham tomado grandes proporções. 

“Estamos em um período de longa estiagem, são mais de 100 dias sem chover em Mato Grosso. A umidade relativa do ar está baixa e em algumas regiões abaixo de 10%. É uma umidade comparada a deserto. Isso cria condições para que esses incêndios possam ocorrer e aí resulta nessas imagens que todos nós estamos vendo”.

Também será permitido o uso de retardante para controlar o fogo. A utilização da substância já foi testada pelo Corpo de Bombeiros e aprovada pela equipe técnica da Secretaria de Meio Ambiente. 

Mendes reforçou a política de Tolerância Zero para quem causar incêndios de forma criminosa. Somente de janeiro a agosto, já foram aplicados R$ 107,3 milhões em multas pelo uso irregular do fogo e R$ 805 milhões por desmatamento ilegal. 
Notícias Relacionadas »
Comentários »