28/11/2013 às 13h05min - Atualizada em 28/11/2013 às 13h05min

Vereador desmente agressão a secretária e atribui confusão ao adversário

Olhar Direto
Olhar Direto

O vereador de Vila Rica Janavon Rios (PROS) desmentiu a agressão à secretária de Educação, Guiomar Rita durante a discussão que teve com o colega de parlamento, vereador Lázaro Gonçalves (PTB), dia 31/10. Segundo Janovan, a notícia de que ele tentou dar um murro no Lázaro teria acertado a secretária foi distorcida e isso não ocorreu.

O parlamentar do PROS apresentou cópia de um boletim de ocorrência registrado pela própria secretária desmentindo o fato da agressão. “Ele se exaltou porque eu disse que ele agia como mudo, surdo e cego na gestão passada onde a esposa dele era funcionária na Secretaria de Esportes e hoje ele persegue a atual administração”, explica.

Janovan reclama que a direção da rádio, onde Lázaro trabalha, divulgou a notícia de forma distorcida e ainda postou o fato no site e sem ouvir a secretária Guiomar. “Tentaram me prejudicar como fizeram com o pastor Francisco Abençoado, que o colocaram de forma precipitada como integrante da quadrilha que assaltou os bancos e o Correio em Vila Rica e isso não pode porque prejudica as pessoas”, lembrou.

Segundo Janovan, a rádio lhe prometeu fazer uma retratação e não o fez. “Só me concederam o direito de resposta porque eu falei de ir à Justiça”, frisou após protocolar dois ofícios pedindo espaço para falar. A reunião na prefeitura contou com a presença do prefeito Luciano, o presidente da Câmara, Luciano de Sousa; a secretária de Saúde, Surami Moreira e representantes do sindicato dos servidores.

Janavon mora há quatorze anos em Vila Rica e está no segundo mandato de vereador. “Sempre tive uma conduta de um bom cidadão e por isso o povo me concedeu mais um mandato, ao contrário de políticos que querem crescer na vida pública prejudicando companheiros de parlamento”, finalizou. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.4%
1.4%