28/11/2013 às 10h01min - Atualizada em 28/11/2013 às 10h01min

Polícia Civil de MT cumpre 135 ordens judiciais em esquema de fraudes na emissão

Agencia da Noticia
Agência da Notícia

A Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso deflagrou na manhã desta quarta-feira (27.11), a operação “Fraus” para cumprimento de 135 ordens judiciais, sendo 19 mandados de prisão temporária e 116 conduções coercitiva contra pessoas envolvidas em fraudes na emissão da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) nos estados de Mato Grosso, Goiás e Tocantins. Outros 48 mandados de busca e apreensão também são cumpridos.

A base da operação é a cidade de Barra do Garças (509 km a Leste), onde investigações conduzidas pela Polícia Civil local descobriram esquema na compra e venda de carteiras de motoristas emitidas sem a realização de provas teórica e prática de direção, ou, simplesmente pela aprovação certa de candidatos quando se submetiam aos exames e ainda terceiros se passavam por candidatos para realização de provas. Os candidatos pagavam valores variados entre R$ 600 até 5 mil para obter o documento.

As investigações iniciaram em setembro de 2010 com denúncia encaminhada pelo Ministério Público de Barra de Garças, que informava que a uma autoescola do município estava oferecendo facilidades para retirar e revalidar a CNH.

O delegado que preside as investigações, Joaquim Leitão Junior, informou que os alvos da operação são donos/responsáveis por Centros de Formação de Condutores de Barra do Garças, instrutores, e fiscais examinadores do Departamento de Trânsito (Detran) e Ciretrans dos municípios. “Acreditamos que exista ramificação desse esquema em outras localidades no Estado de Mato Grosso e Goiás. Por isso, outros mandados de prisões e inclusões de alvos serão realizados no decorrer das investigações, com intuito de reprimir essa prática perniciosa de venda ilegal de habilitação que persiste na lida criminosa”, destacou.

A operação abrange 39 cidades com a possibilidade de aumentar o número nos Estados de Mato Grosso, Goiás e Tocantins. São oito cidades de Mato Grosso, um município de Tocantins e 30 do Estado de Goiás.

Os presos vão responder por crimes de corrupção passiva e ativa, formação de quadrilha, alteração indevida de sistema de dados e falsidade ideológica.

Participam da operação 115 policiais civis de Barra do Garças (70 investigadores, 30 escrivães e mais de 15 delegados), com auxílio da Diretoria de Inteligência, das Delegacias da Polícia Civil de Cáceres, Rondonópolis, Várzea Grande, Cuiabá, Tangará da Serra, e das Polícias Civis dos Estados de Goiás e Tocantins.

Na operação foram empregadas 25 viaturas policiais e um ônibus para conduzir os presos até a Delegacia de Barra do Garças.

Além do delegado Joaquim Leitão, a operação conta com a coordenação do delegado Regional de Barra do Garças, Adilson Gonçalves Macedo e o delegado Willyney Santana Borges.

O balanço da operação será apresentado no início da tarde desta quarta-feira pelos delegados que coordenam o trabalho.

Nome da Operação

O nome da operação “Fraus” vem do latim e significa “uma mentira contada com boa intenção”. Na mitologia romana “Fraus” representava um deus personificado num teatro. O nome foi escolhido pela procura dos suspeitos em dar aparência lícita ao esquema criminosos de venda de habilitação com várias facetas e engenhosidades na sua consecução de resultado. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.5%
1.4%