21/11/2013 às 17h28min - Atualizada em 21/11/2013 às 17h28min

Cadela é resgatada após ser banhada com diesel e sofrer intoxicação

Agencia da Noticia com G1
Agência da Notícia

Vítima de maus tratos, uma cadela da raça teckel foi resgatada das ruas de Colíder, a 648 km de Cuiabá, em estado grave de intoxicação. Ela foi encontrada na terça-feira (19) e está internada em uma clínica veterinária da cidade, ainda sem previsão de alta. O animal de rua, batizado de 'S10', pelo médico veterinário Cícero Antônio Bezerra Marques de Sá, que a atendeu, foi banhado de óleo diesel, o que causou a intoxicação. O responsável pelos maus tratos, porém, ainda não foi identificado.

"Ela estava com intoxicação grave e já estava com a respiração ofegante, batimento cardíado acelerado. Ela está passando por um processo de desintoxicação e já está um pouco melhor", disse o veterinário. Cícero avaliou que alguém deve ter jogado óleo diesel no animal, imaginando que pudesse curá-la de alguma enfermidade. "Reza a lenda que o óleo diesel acaba com alguns problemas, como sarnas, carrapatos. Pode até combater com esses problemas, mas acaba com o animal também", pontuou.

A intoxicação, segundo ele, se dá porque ao lamber o corpo para retirar o óleo o animal acaba ingerindo a substância. O veterinário contou que quem encontrou o animal foi o delegado Bruno Abreu, da Polícia Civil da região, que mora na cidade e que se mostra sensível aos casos de maus tratos aos animais.

Na sua página em um site de relacionamento, o delegado pediu que os moradores denunciem à polícia o autor dos maus tratos à cadela que ele encontrou agonizando na esquina de uma avenida da cidade e garantiu sigilo. "Sei que minha profissão exige profissionalismo, frieza e respeito aos direitos de qualquer pessoa suspeita de um delito, mas quanta frieza tem que se ter com um cidadão que de graça jogou óleo diesel queimado numa cadelinha de rua indefesa. O que está acontecendo com as pessoas?", questionou o delegado.

Quando se configura o crime de maus-tratos, a pena para os envolvidos varia de 3 meses a um ano de detenção. Além disso, o culpado tem os direitos de cidadão restringidos, não podendo viajar sem avisar a Justiça, e pode receber uma multa de acordo com o poder aquisitivo. 


Notícias Relacionadas »
Comentários »

Com UTIs lotadas, Barra do Garças deve ou não aderir lockdown? 3 pacientes aguardam vagas

74.2%
24.5%
1.4%