05/08/2020 às 15h55min - Atualizada em 05/08/2020 às 15h55min

Morre cacique mais famoso de Mato Grosso que foi tema de novela no regime militar

A novela Aritana começou a ser exibida na Tv Tupi e devido a divergência com o povo indígena, o governo federal mandou parar a novela

Araguaia Notícia + Xapuri
ARAGUAIA NOTÍCIA
Aritana em 2020 vítima de Covid


O cacique mais famoso e conhecido do Parque Nacional Xingu, Yawalapiti Aritana, morreu nq quarta-feira (5/8) em Goiânia em consequência do Covid-19, aos 74 anos. Ele enfrentava problemas respiratórios devido ao vírus e foi internado no hospital de Canarana (MT).

Devido também a hipertensão, Aritana não resistiu e faleceu deixando uma grande lacuna junto ao povo indígena de Mato Grosso. Aritana tem seu momento de fama também no final da década de 70 quando a extinta Tv Tupi fez uma novela baseada na história do povo indígena do Xingu cujo título era Aritana.

Só que a exibição da novela criou um desentendimento entre as etnias do parque na época e por decisão governo brasileiro na época (regime militar) decidiu parar a novela. Em 1998, o repórter Ronaldo Couto entrevistou Aritana durante uma cerimônia do Quarup no Parque Xingu. 

Foram três dias lá no parque isolado de tudo e de todos convivendo com a cultura dos índios. E nesse ambiente, Ronaldo Couto ficou sabendo de mais detalhes sobre a história do cacique Aritana. 

Ele é da aldeia Yawalapiti, no coração do Parque do Xingu, a cerca de 8 km do posto Leonardo. Ele não queria deixar a terra indígena porque os xinguanos temem as condições dos hospitais da região, onde não há UTI (Unidade de Terapia Intensiva), e também da capital de Mato Grosso, Cuiabá, onde a pandemia levou ao colapso de unidades hospitalares, porém foi convencido a viajar. De Canarana seguiu para Goiânia, mas os pulmões comprometidos forçaram o grande Aritana fazer a passagem.

Tapi, seu filho, conta que o Cacique Aritana estava muito preocupado com o avanço do Covid no Xingu.

Após a morte dos seus parentes, Aritana iniciou uma campanha para arrecadar fundos e levar cuidados médicos para essa terra indígena, que não tem recursos ou remédios para atender os pacientes mais graves, disse Tapi.

A ideia era tentar “montar um hospital de campanha ou comprar remédios, porque sem remédios no posto de saúde da vila, como o médico vai tratar febre, dor de cabeça, diarreia e dores no corpo?”, questionou.

Aritana, o guerreiro, não teve tempo de fazer o pretendido e o governo tem se furtado a cumprir seu papel de cuidar dos povos originários, dos povos indígenas. Se não enfrentam mineradores, destruidores da floresta, encontram um inimigo atroz, o Covid-19, que veio do exterior e para o qual não possuem nenhuma imunidade.

Que o  Cacique seja recebido em grande festa do outro lado: añu naku; añu taku.

Que  os apapalutápa permitam seu cortejo fúnebre como ele sempre imaginou: no centro de sua aldeia.

Xamãs, pajés, familiares de sua putaka,  parentes e caraíbas lamentam sua partida, Cacique Aritana!

A imagem pode conter: 2 pessoas

A imagem pode conter: 2 pessoas



Nenhuma descrição de foto disponível.

Nenhuma descrição de foto disponível.


Repórter Ronaldo Couto, do site Araguaia Notícia, participando do Quarup de 1998 no Parque Nacional do Xingu. Na segunda foto, Aritana está de costa olhando para o cinegrafista da Alemanha e para o repórter Ronaldo Couto.
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Se a empresa de Água continuar com serviço irregular, o que deve ser feito pelo prefeito? Deixê a sua opinião internauta

1.4%
5.3%
18.2%
75.2%