21/07/2020 às 12h09min - Atualizada em 21/07/2020 às 12h09min

Cacique Raoni tem melhora de saúde em MT e recebe visita de bispo em nome do Papa Francisco

Cacique apresentou um quadro depressivo após a morte da mulher dele por diabetes há um mês. Raoni é conhecido internacionalmente pela defesa dos direitos dos povos indígenas e é líder do povo Kayapó.

G1 MT
ARAGUAIA NOTÍCIA
O cacique Raoni Metuktire, de 89 anos, líder da etnia Kayapó, apresentou melhora em seu quadro clínico, conforme o boletim médico desta terça-feira (21), divulgado pelo Hospital Dois Pinheiros, onde a liderança indígena está internada em Sinop, a 503 km de Cuiabá.

Com a pressão arterial controlada, o cacique passou a noite bem, sem febre e está lúcido e orientado.

De acordo com o hospital, ele continua com quadro de infecção intestinal. Ele segue também o tratamento para as úlceras gástricas com antibióticos e protetor gástrico.

“Trabalhamos com a possibilidade de alta até o final de semana conforme evolução clínica e resultados de exames”, pontuou a unidade de saúde.

Pela manhã o Cacique Raoni recebeu a visita do Bispo Dom Canísio Klaus, da Diocese de Sinop, que em nome Núncio Apostólico de Brasil e do Papa Francisco desejou melhoras ao líder indígena.

O líder do povo Kayapó, Raoni Metuktire, tem 89 anos em registro, está internado desde sábado (18) no Hospital Dois Pinheiros, na cidade de Sinop, região Centro-Oeste do país, Norte de Mato Grosso e localizada a 200 km do Parque Indígena do Xingu, onde reside o cacique.

O líder indígena foi internado em um hospital de Colíder, na quinta-feira (16), após passar mal. Já no sábado (18) ele foi transferido de avião para Sinop após complicações gastrointestinais e desidratação.

Segundo a direção do Instituto Raoni, o cacique apresentou um quadro depressivo após a morte da mulher dele, Bekwyjkà Metuktire, no dia 23 de junho, há um mês. Ela tinha diabetes e sofreu um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Raoni

Raoni é conhecido internacionalmente pela defesa dos direitos dos povos indígenas. Desde que nasceu, ele vive na Aldeia Metuktire, que fica na Terra Indígena Kapot Jarinã, no município de Peixoto de Azevedo, região norte de Mato Grosso.

A área foi demarcada no início da década de 1980. Raoni e Bekwyjkà Metuktire tiveram seis filhos e estavam juntos há pelo menos oito décadas

Por medo da pandemia do coronavírus, a anciã não foi removida para um hospital, de acordo com a neta Mayalú Txucarramãe, que postou nas redes que o avô estava “arrasado com a perda da sua companheira, conselheira e matriarca”.

Histórico

O líder indígena é reconhecido internacionalmente pela luta que articula pelos povos indígenas. Em 1989, ele teve um encontro histórico com o cantor Sting durante o I Encontro dos Povos Indígenas do Xingu, em Altamira (PA).

Os dois se reencontraram em 2009 na cidade de São Paulo para conversar sobre a construção da Usina de Belo Monte.

Em novembro de 2012, Raoni foi recebido pelo presidente da França, François Hollande, no Palácio do Eliseu. Na ocasião, o cacique pedia a preservação da Amazônia e dos povos que vivem na região.

No ano passado, Raoni foi chamado pelo presidente Jair Bolsonaro de "peça de manobra" usada por governos estrangeiros para "avançar seus interesses na Amazônia".

A declaração ocorreu após o cacique se encontrar com o presidente da França, Emmanuel Macron, em busca de apoio para a defesa da Amazônia.
Notícias Relacionadas »
Comentários »