22/05/2020 às 20h18min - Atualizada em 22/05/2020 às 20h18min

Indígena vai a Juri Popular no Araguaia acusada de enterrar recém-nascida viva

Ela é bisavó da criança que sobreviveu porque foi desenterrada por policiais em Canarana

G1 MT
ARAGUAIA NOTÍCIA
A Justiça determinou que a bisavó acusada de enterrar uma bebê indígena viva vá a júri popular. A decisão é do juiz Conrado Machado Simão, da Primeira Vara Criminal e Cível de Canarana, a 838 km de Cuiabá.

Conforme o Ministério Público Estadual (MPE), Kutsamin Kamayaura enterrou viva a bisneta Analu Paluni Kamayura Trumai no dia 5 de junho de 2018 logo após o nascimento da criança.

Ainda segundo a denúncia, Kutsamin Kamayaura auxiliou no parto de sua neta Maialla Paluni Trumai, de 15 anos de idade. Na oportunidade, ela cortou o cordão umbilical que ligava Analu à mãe, enrolou a vítima Analu Paluni Kamayura Trumai em um pano, enterrando-a no quintal da casa, em uma cova de aproximadamente 50 centímetros. Após uma denúncia anônima indicando que a família havia enterrado um recém-nascido no quintal da casa, a vítima foi resgatada por policiais militares, com o apoio da Polícia Civil.

Todo o resgate foi gravado em imagens de vídeo, momento em que se constatou que a vítima, apesar de enterrada à aproximadamente 6 horas, estava viva.

De acordo com o juiz, existem elementos mínimos para sustentação em plenário da qualificadora do meio cruel, tendo em vista que a vítima foi enterrada viva, incidindo o meio cruel por asfixia. Também há elementos mínimos para que a acusação sustente em plenário a qualificadora do recurso que dificultou a defesa da vítima que, na qualidade de recém-nascida, não possuía nenhum meio para se defender.

A criança ficou mais de um mês internada na Santa Casa de Misericórdia em Cuiabá.



O resgate

A denúncia anônima feita à polícia na tarde de terça-feira dizia que o bebê havia morrido durante o parto e sido enterrado no quintal dessa casa. Com isso, os policiais foram até o local para saber o que tinha acontecido e retirar o corpo e levá-lo ao IML.
Notícias Relacionadas »
Comentários »