22/05/2020 às 15h31min - Atualizada em 22/05/2020 às 15h31min

Comitê repetirá em Barra do Garças análise de água realizada em Torixoréu

Em reunião, CBH Alto Araguaia chama atenção para políticas públicas de saneamento ambiental

Khryst Serpa
ARAGUAIA NOTÍCIA
Análise biológica realizada no Bairro Progresso e Bairro União, em Torixoréu, indica contaminação do Córrego Capim Branco Foto: Jessika Hirata
O Comitê da Bacia Hidrográfica do Alto Araguaia realizou nesta terça, 19 de maio, a segunda reunião ordinária de 2020. O encontro se deu em ambiente virtual, através da ferramenta Meet do Google, obedecendo Decreto do Governo do Estado de Mato Grosso, que prevê o distanciamento social.

Estiveram presentes a mesa diretora do Comitê, representantes da Gerência de Fomento e Apoio aos Comitês de Bacia da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (GFAC - SEMA), poder judiciário, entidades civis, população regional, comunidade acadêmica, e das cidades que compõem a Bacia Hidrográfica do Alto Araguaia.

Foi debatido, durante a videoconferência, o Plano de Trabalho do Comitê para os próximos meses, o Plano de Comunicação, a aprovação e substituição dos novos membros representantes da cidade de Ribeirãozinho, e a exposição do trabalho de coleta e análise realizado em Torixoréu, 511 km da Capital Cuiabá.



A primeira reunião ordinária do ano aconteceu na cidade, em 10 de março. Na ocasião, os membros do Comitê realizaram visita técnica ao longo do leito do Córrego Capim Branco, além da área urbana do Bairro União e Bairro Progresso, onde coletaram águas dos efluentes do córrego para análise biológica e orientaram a população.

pesquisa indicou que o recurso hídrico do Córrego Capim Branco não se encontra apto para consumo humano ou usos na agropecuária. O CBH Alto Araguaia alertou para os riscos à saúde. 

“Pode conduzir a quadros de diarréias moderadas a severas, colite (inflamação) hemorrágica grave, síndrome hemolítica urêmica (SHU), infecções urinárias e inclusive pode levar à óbito”, informou o Prof. Dr. Marco Antônio Vieira Morais, do IFMT, responsável pela análise.

As próximas ações do CBH Alto Araguaia preveem ampliação das análises biológicas para as outras 11 cidades da microbacia. Barra do Garças será a segunda cidade a receber a visita técnica do Comitê. Objetivo é entender a realidade do sistema de tratamento de esgoto da cidade.

Pensando na perspectiva de colocar o saneamento ambiental na agenda das discussões do poder público, e inserir o tema na lista de prioridades dos Planos de Governo que surgem no ano eleitoral, Clodoaldo Queiroz, presidente do CBH, relembrou que o Brasil possui acordo de universalização do saneamento básico e ainda apresenta enorme vazão de esgoto à céu aberto.

“Nossa preocupação é como reverter isso. Reivindicar que as políticas públicas se apresentem”, afirmou.

Segundo o Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos (SNIRH) da Agência Nacional das Águas (ANA), 58,6% da população barragarcense está incluída na rede de tratamento de esgoto. Outros 41,6% adotaram medidas individuais de coleta dos resíduos, como fossas.

Conheça o CBH Alto Araguaia


Instituído em 2019, o Comitê atua como uma ferramenta de ação política para a conservação das águas dos afluentes da bacia do Alto Araguaia. Conhecido como o “parlamento das águas”, o CBH abre espaço para que entidades e representantes da sociedade civil possam debater e deliberar propostas para utilização sustentável dos recursos hidrográficos da região. Além do Alto Araguaia, existem outros nove comitês atuantes em Mato Grosso.

O CBH Alto Araguaia atua nas regiões próximas ao curso dos rios Garças e Araguaia, atendendo às demandas das cidades mato-grossenses de Alto Araguaia, Alto Garças, Alto Taquari, Araguainha, Barra do Garças, General Carneiro, Guiratinga, Pontal do Araguaia, Ponte Branca, Ribeirãozinho, Tesouro e Torixoréu.
Notícias Relacionadas »
Comentários »