14/05/2020 às 12h48min - Atualizada em 14/05/2020 às 12h48min

Polícia conduz 15 pessoas que fazia pesquisa em Barra do Garças oferecendo exames contra Covid

Esse projeto foi desenvolvido por universidade de Pelotas e a pesquisa pelo Ibope em 133 municípios. Só que Barra do Garças não foi avisada em tempo sobre a aplicação do questionário e virou essa celeuma

Araguaia Notícia
A Secretaria de Saúde e moradores já acionaram a Polícia Militar, na manhã de quinta-feira (14/5), sobre a presença de algumas pessoas com capotes azuis nas ruas, indo nas casas em Barra do Garças, dizendo que são de uma empresa de pesquisa prestando serviço ao Ministério da Saúde e oferecendo exames para verificar se o morador tem ou não a Covid.

Eles abordam os moradores principalmente idosos que estão sozinhos e insistem em fazer o teste-rápido (exame de furar o dedo) dos entrevistados. Eles estiveram por volta das 11h30 da manhã no Jardim Piracema.

“Nós da gestão desconhecemos e já comunicamos a PM sobre esse fato. Orientem quem puder a não autorizar a coleta de sangue e se puderem ligar na polícia e falar onde eles estão é importante para esclarecer essa situação”, explicou uma funcionária da Secretaria de Saúde.

A informação que este grupo já esteve também na Vila Maria. A polícia conseguiu na mesma tarde recolher 15 pessoas que estavam aplicando esse questionário. 



Nota da empresa responsável pela pesquisa 

EPICOVID19

Peço que todas as pessoas que tenham contato nessas 133 cidades compartilhem essa mensagem, para garantir o bom andamento da pesquisa inédita que estamos realizado sobre o coronavírus no Brasil.

1) Trata-se de pesquisa coordenada pela Universidade Federal de Pelotas, financiada pelo Ministério da Saúde, e realizada pelo IBOPE Inteligência.

2) Os 133 municípios forem escolhidos por representarem as 133 regiões intermediárias do Brasil, conforme divisão do IBGE.

3) Em cada cidade, é feito um sorteio de 250 domicílios para participarem da pesquisa. Em cada casa sorteada, é sorteado apenas um morador para ser testado.

4) Os testes são gratuitos e a participação na pesquisa é voluntária.

5) O estudo foi submetido e aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa, sob o número CAAE 30721520.7.1001.5313.

6) Todos os entrevistadores foram testados previamente, e somente aqueles com testes negativos para COVID-19 participam da coleta de dados.

7) Os entrevistadores usam todos os equipamentos de proteção individual necessários para protegerem a si próprios e aos entrevistados.

8) Os agentes da pesquisa coletam uma gota de sangue da ponta do dedo do participante, que será analisada pelo aparelho de teste em aproximadamente 15 minutos.

8) Realizamos no primeiro dia (14 de maio), cerca de 5.300 testes. A coleta de dados ainda acontece hoje (15 de maio), amanhã (16 de maio) e domingo (17 de maio). Até lá, nossa meta é realizar 33.250 testes (250 em cada uma das 133 cidades da amostra).

9) A pesquisa irá estimar a proporção de pessoas com anticorpos para a COVID-19 e a velocidade de expansão da pandemia no Brasil.

10) A equipe da pesquisa tem sido muito bem recebida na grande maioria das residências, mostrando que a população está muito interessada em ter a chance de realizar o teste para o coronavírus, e contribuir para a pesquisa, que poderá ajudar a salvar muitas vidas com os dados produzidos.

11) No entanto, estamos enfrentando algumas dificuldades em algumas cidades. Embora o Ministério da Saúde tenha enviado ofício para as Secretárias de Saúde, em alguns casos, aparentemente esses ofícios não chegaram ao conhecimento das autoridades locais. Estamos trabalhando em força tarefa para dialogar com as prefeituras e evitar prejuízos para o trabalho.

Obrigado!

Pedro Hallal
Reitor da UFPel
Coordenador Geral da Pesquisa

Matéria atualizada dia 15/5 09h00
Notícias Relacionadas »
Comentários »