06/04/2020 às 22h27min - Atualizada em 06/04/2020 às 22h27min

Eduardo Botelho acredita se a crise do Covid-19 se prolongar, eleição terá que ser adiada

O presidente da AL-MT disse que a mudança de datas já é admitida pela Justiça Eleitoral e no Congresso Nacional já existem propostas de alteração até mesmo da Constituição

Cíntia Borges / Midia News
ARAGUAIA NOTÍCIA / SEMANA 7


O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), afirmou que se a pandemia do novo coronavírus, a Covid-19, ultrapassar o mês de julho deste ano deverá ser discutido novas datas para as eleições municipais de 2020. O pleito – que elegem prefeitos e vereadores – está programado para ocorrer em 4 outubro deste ano.

No entanto, os registros das candidaturas devem ser feitas já em agosto. “Ainda não é o momento para essa discussão, mas ela precisará ser feita. Se continuar esse cenário [pandemia] até julho - porque agosto começam os debates -, vai ter que ser interrompido o processo eleitoral”, disse o deputado em conversa com a imprensa, nesta semana. Botelho ainda defendeu que, caso haja necessidade de uma nova data, a modificação seja feita pelo Congresso Nacional. 

“Agora, isso não é uma discussão para a Justiça Eleitoral, é uma discussão para Congresso. Foi ele quem definiu data e prazo, então, é o Congresso que tem que legislar e definir isso”, afirmou. 

Mudança de datas 

A ideia de uma mudança de datas vem sendo levantada por diversas lideranças políticas. Uma delas, uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), deve ser colocada em discussão no Senado pelo congressista Major Olímpio (PSL-SP).

Ele defende o adiamento do pleito municipal e de eleições gerais em 2022. Há ainda um processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que pede o adiamento das eleições devido ao coronavírus.

A ministra Rosa Weber, presidente do órgão, afirmou ser precoce a discussão sobre adiamento das eleições deste ano. 

Notícias Relacionadas »
Comentários »