05/03/2020 às 11h39min - Atualizada em 05/03/2020 às 11h39min

Vício em tecnologia? Descubra como superar o problema

Mal moderno pode comprometer a saúde, causando distúrbios do sono e até LER

ARAGUAIA NOTÍCIA
A globalização e a descoberta de novas tecnologias tornaram o nosso dia a dia muito mais prático e dinâmico. No entanto, esses avanços nos fazem ficar praticamente todo o tempo conectados às mais variadas plataformas digitais, sendo sempre expostos a diferentes tipos de informações.

A falsa necessidade de estar o tempo todo conectado e informado faz com que muitas pessoas criem verdadeira dependência dos aparelhos tecnológicos. Isso sem contar os apps de jogos — quantas pessoas não ficam um único dia sem pontuar em algum game on-line?

É preciso saber usar bem os recursos tecnológicos para não nos tornarmos dependentes emocionais deles, podermos viver o presente, ou seja, o mundo real — algo que tem sido deixado de lado —, e também para prevenir doenças que podem comprometer o bem-estar físico e mental.

Quando o high-tech faz mal

Não é lenda urbana: tem gente que vicia no uso de devices tecnológicos e acaba piorando a qualidade de vida. Alguns exemplos:

Depressão e ansiedade

Quem passa muito tempo nas redes sociais, em especial as de maior influência no estilo de vida, como o Instagram, acaba acompanhando a vida de diversos influenciadores e se comparando com eles. Essas pessoas ganham dinheiro para parecer que têm uma vida perfeita, e muita gente acaba confrontando a própria rotina com essa, de mentira e editada no Photoshop.
 
Isso faz com que aumentem os casos de baixa autoestima, depressão e ansiedade. Em muitos países, jovens têm colocado a própria vida em risco em busca da selfie perfeita, justamente para poderem atrair mais seguidores e mostrarem uma experiência incrível nas redes, que, na verdade, não condiz com a realidade vivida.

Déficit de memória e de concentração

Somos tão bombardeados de informações o tempo todo que nossa memória se tornou péssima. Estudiosos chegam a compará-la à do peixe-dourado, que dura apenas 3 segundos, justamente por essa exposição constante a estímulos informativos.

Por conta dos smartphones, por exemplo, já não decoramos mais os números de telefone e, muitas vezes, se concentrar em alguma tarefa acaba sendo difícil, uma vez que chegam muitas notificações simultâneas que demandam um falso senso de urgência em serem checadas e respondidas.
Pouca paciência e ansiedade

Temos acesso ao que queremos a um clique ou toque na tela do smartphone. Já não precisamos aguardar os comerciais para continuar assistindo a um filme, não temos que esperar uma semana para saber como a série continua e, se acabou a comida ou a bebida, basta solicitar um delivery a qualquer hora, que iremos receber o produto no conforto do lar. Plataformas de streaming e apps de delivery facilitaram a rotina, mas também acabaram com a espera, gerando pessoas cada vez menos pacientes e mais ansiosas.
LER (lesão por esforço repetitivo)

Sim, é possível desenvolver esse tipo de lesão simplesmente por teclar demais, trocar muitas mensagens ou passar muitas horas jogando nos devices.
Distúrbios do sono

A luz emitida pelo celular é suficiente para atrapalhar o sono restaurador e, em muitos casos, pode ser um dos motivos que causa a insônia.
Estresse

Quem não desconecta fica o tempo todo em estado de alerta, aguardando uma notificação e, com isso, acaba não relaxando, deixando o corpo todo tenso e sentindo os efeitos nocivos do estresse.

 

Como evitar que isso aconteça?

O uso racional da tecnologia é o primeiro passo, mas sabemos que falar é mais fácil do que fazer, não é mesmo? Então, seguem algumas dicas de ouro:
 
  1. Não use o celular para passar o tempo. Quando estiver ocioso, leia um livro, dê uma volta ou procure um hobby.
  2. Não deixe o smartphone ligado ao lado da cama, nem mesmo para carregar. Desconecte-se.
  3. Desligue as notificações e cheque-as apenas uma ou duas vezes ao dia.
  4. Aplicativos como o App Detox e o Moment contabilizam quanto tempo o usuário passou nas redes sociais e ajudam a começar um detox.
  5. Se for muito difícil, desconecte-se aos poucos para não ter abstinência, mas faça isso pra valer.
  6. Quando encontrar amigos e familiares, deixe o aparelho longe de você e force a conversa pessoal.
  7. Se tiver muita dificuldade e estiver prejudicando sua vida, busque ajuda profissional.
Notícias Relacionadas »
Comentários »